Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Crime na caserna

Só há estelionato se fica demonstrado que houve intenção

Por 

Para que haja condenação por estelionato é preciso demonstrar que a intenção é anterior à prática do crime. O entendimento é da 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal, que concedeu Habeas Corpus ao general Paulo César de Lima Siqueira, condenado por crime de estelionato pelo Superior Tribunal Militar.

O militar é acusado de solicitar indenizações de transporte e ajuda de custo e não as utilizar para o fim requerido. As indenizações estão previstas nos artigos 34 e 35 da Lei 8.237/91 em caso transferência de unidade, por necessidade do serviço. O general foi transferido do comando da 1ª Brigada de Artilharia Anti-Aérea, em Santos (SP), para a diretoria de serviço militar em Brasília (DF). Depois de ser transferido, o general pediu a passagem para a reserva.

Segundo o voto da ministra Ellen Gracie, acompanhado pela turma, ficou demonstrada a ausência de dolo antecedente, já que a transferência se dera por necessidade de serviço e as indenizações estavam fundadas em normas legais que dispensavam, inclusive, prestação de contas.

O general-de-brigada havia sido condenado em outubro do ano passado a 2 anos de prisão com direito à suspensão da pena por estelionato consumado e outro tentado. Segundo o STM, o militar recebeu R$ 19.734,52, sem que tivesse trazido bagagem ou tivesse sido acompanhado por parente. Dois meses depois da mudança, em fevereiro, ele pediu transferência para a reserva remunerada e solicitou nova indenização “para levar de volta o que não havia trazido”, segundo o STM.

O Exército rejeitou o pedido e o general protocolou a ação na Justiça. No julgamento, o STM atendeu a um recurso da Procuradoria-Geral da Justiça Militar que questionava decisão anterior do tribunal, favorável a Siqueira. O plenário do STM fez uma revisão de sua decisão, aceitou a denúncia pelo crime de estelionato consumado e rejeitou a acusação por estelionato tentado.

Leonardo Fuhrmann é repórter da revista Consutor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 12 de novembro de 2005, 13h31

Comentários de leitores

3 comentários

ISSO É COMUM COM QUASE TODOS OS OFICIAIS GENERA...

CURIOSO DO DIREITO (Praça do Exército)

ISSO É COMUM COM QUASE TODOS OS OFICIAIS GENERAIS, TODOS, POR TEREM COMPETENCIA PARA GERIR O DINHEIRO PÚBLICO APROVEITAM DA SITUAÇAO PARA DAR UMA ENGORDADA NO ORCAMENTO MENSAL, UMA FALTA DE VERGONHA PARA O PAIS, ISSO É MUITO COMUM, TODO DIA TEM DESVIOS, O QUE FALTA É UMA AUDITORIA EXTERNA NAS FORCAS ARMADAS

Tenho feito alguns comentários que não aparecem...

Walter Tassi (Advogado Autônomo)

Tenho feito alguns comentários que não aparecem...

Esse é aquele típico caso que só acaba acontece...

Walter Tassi (Advogado Autônomo)

Esse é aquele típico caso que só acaba acontecendo porque a lei foi mal elaborada ou falha, permitindo a indenização antes mesmo da "mudança" do interessado. Estelionato mesmo está sendo praticado por políticos, que não estão amparados por qualquer lei, praticaram corrupção, "criaram" receitas fraudulentas, lesaram o patrimônio de todo cidadão brasileiro e ainda recebem o benefício de poder escancarar a cara de pau em procedimento vil, sórdido, senão hediondo...

Comentários encerrados em 20/11/2005.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.