Consultor Jurídico

perda dos movimentos

Trabalhadora cuja mão foi esmagada em máquina deve ser indenizada

Por 

Sem provas que pudessem desconstituir os laudos periciais, a 2ª Vara do Trabalho de Poços de Caldas (MG) condenou uma fábrica de biscoitos de Andradas (MG) a indenizar uma funcionária vítima de acidente de trabalho que esmagou sua mão.

Funcionária de fábrica de biscoitos limpava maquinário no momento do acidenteReprodução

A empresa deverá pagar pouco mais de R$ 430 mil por danos materiais, R$ 20 mil de danos morais e mais R$ 20 mil por danos estéticos.

A auxiliar de produção fazia a limpeza de um maquinário quando sofreu o acidente. Ela perdeu 100% dos movimentos da mão esquerda, e consequentemente sua capacidade laborativa.

Os patrões alegaram que o acidente teria sido de culpa exclusiva da vítima, mas o laudo de engenharia afastou tal hipótese e confirmou a negligência dos empregadores e o descumprimento das normas regulamentadoras. Além disso, o perito médico reconheceu o nexo de causalidade entre o trabalho e os danos na mão.

"Não houve nenhuma prova hábil a descaracterizar o resultado dos laudos, na medida em que são os peritos que detêm o devido conhecimento técnico acerca das condições físicas e laborais da reclamante", ressaltou o juiz William Martins.

O magistrado também destacou que a testemunha trazida pela ré não estava presente no dia do acidente, não tinha conhecimentos técnicos em engenharia e medicina do trabalho e ainda teria repassado informações distorcidas, que não condiziam com o vídeo do acidente.

"Não há dúvidas acerca do sofrimento suportado pela parte autora em razão do acidente de trabalho sofrido. As consequências danosas sob a óptica do seu relacionamento pessoal, familiar e social são óbvias, atingindo diretamente seu espectro interior e afrontando seu patrimônio axiológico, cuja dor somente ela sabe quantificar", concluiu.

Na mesma decisão, os empregadores foram condenados a pagar FGTS sobre verbas referentes ao período no qual a autora ficou afastada. Ela foi representada pelo escritório Ferreira Guimarães Advogados.

Clique aqui para ler a decisão
0010015-28.2021.5.03.0149




Topo da página

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 9 de maio de 2022, 7h22

Comentários de leitores

2 comentários

Deságio

José Damasco (Advogado Autônomo)

Esse deságio inserido na sentença de onde vem? Por acaso, o sofrimento da vítima, se o deságio não for aplicado, vai ser menor? Como é que se pode falar, à falta de deságio, em enriquecimento ilícito num caso com esse?
A lei prevê isso aí?
Alguém tem alguma luz sobre isso?

Deságio absurdo

antonio carlos teodoro (Advogado Sócio de Escritório - Previdenciária)

São teses absurdas retirando direitos expresso em lei ! Como o STF , aplicam determinação que não está na lei! Como já viu excluir indenização por deságio , já não bastasse a onda de decréscimo da valoração do dano moral , sempre mero aborrecimento

Comentários encerrados em 17/05/2022.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.