Consultor Jurídico

Compartilhamento de provas

Provas de inquérito contra Bolsonaro podem ser usadas no das milícias digitais

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, autorizou o compartilhamento de provas do inquérito 4.878, que investiga vazamento de dados pelo presidente Jair Bolsonaro, com o inquérito 4.874, que apura a existência de uma milícia digital para deslegitimar a democracia.

A decisão, da última sexta-feira, foi publicada nesta terça (8/2) no andamento processual. Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, atende a um pedido da delegada Denisse Ribeiro, da Polícia Federal, responsável pelas duas investigações.

"Verifico a pertinência do requerimento da autoridade policial, notadamente em razão da identidade de agentes investigados nestes autos e da semelhança do modus operandi das condutas aqui analisadas com as apuradas nos Inquéritos 4.874/DF e 4.888/DF, ambos de minha relatoria", afirmou o ministro na decisão.

No inquérito contra Bolsonaro, a Polícia Federal concluiu que o presidente cometeu crime ao divulgar resultados sigilosos de uma investigação sigilosa sobre tentativas de ataque ao Tribunal Superior Eleitoral.

Apesar disso, a delegada informou que não iria promover o indiciamento do presidente para não violar precedente do STF de que pessoas com foro só podem sofrer indiciamento mediante autorização da Corte.

Agora, as informações levantadas nesse inquérito poderão subsidiar as investigações de outro processo, que investiga as atividades de uma milícia digital organizada para atacar ministros do Supremo e desestabilizar as instituições democráticas no país.

As provas também serão compartilhadas em um terceiro inquérito, que investiga o presidente por ter associado, durante uma live, a vacina contra a Covid-19 à contaminação pelo vírus da Aids.

Inq 4.878

Inq 4.874

Inq 4.888




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 8 de fevereiro de 2022, 16h53

Comentários de leitores

3 comentários

Sigiloso

ULISSES MACHADO (Técnico de Informática)

Assistindo a jovem pan ontem, foi dito e afirmada por várias vezes que o processo não era sigiloso até porque vários deputados tiveram acesso ao mesmo.
Qual é a verdade suprema?

Esforcem-se mais

Carlos Henrique Provin Almeida (Serventuário)

https://www.cnnbrasil.com.br/politica/sindicancia-da-pf-diz-que-inquerito-sobre-ataque-hacker-nao-estava-sob-sigilo/......... façam mais força, se não vai dar Bolsonaro em 2022.

"Eleição não ganha... se toma"

Prof. Dr. José Jivaldo Lima - OAB n. 50.868 (Advogado Assalariado)

Os Supremos vice-presidentes são superiores à CF/88. Um já disse que "eleição não se vence... se toma"... então não haverá esforços para se vencer ao possível candidato JB... a eleição será tomada... o que faz lembrar-nos do que disse o José Dirceu... ainda bem que ninguém (por enquanto) tocará nas FFAA... assim elas ficarão quietinhas nas opulências de seus salários até que sejam encaçapadas numa nova "comissão da (in)verdade"... quem viver verá!!!

Comentários encerrados em 16/02/2022.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.