Consultor Jurídico

Gota d'água

Erro na medição de hidrômetro gera indenização por danos morais

Se uma companhia de fornecimento de aguá adotar um suposto valor de consumo para faturamento, aleatório e arbitrário, pode-se configurar como um ato de cobrança ilícita.

A indevida interrupção na prestação de serviços essenciais, como água, pode se configurar como dano moral
ConJur 

Foi com esse entendimento que o juiz na Paraíba Fábio Leandro de Alencar Cunha, da 16ª Vara Cível da Capital, condenou a Cagepa, concessionários local, ao pagamento de uma indenização, a título de danos morais, no valor de R$ 5 mil, ao mesmo tempo que declarou nula a dívida de uma consumidora relativa aos meses de fevereiro a agosto de 2017. 

A parte autora alega que no imóvel onde morava não havia hidrômetro para aferição do consumo, pelo que requereu a instalação do equipamento, que foi inicialmente colocado no lado interno da casa. Ocorre que, desde a instalação, notou um consumo irreal e exagerado de água, com as faturas referentes aos meses de fevereiro a agosto de 2017, apresentando valores incompatíveis com a média de consumo da casa, totalizando um débito no valor de R$ 6.150,08, sem coerência, tendo em vista que residem no local apenas ela e seus dois filhos.

Narra, ainda, que a Cagepa teria interrompido, em 18 de outubro de 2017, o fornecimento de água da sua casa, sob a alegação do supracitado débito, apesar de tê-lo questionado. Aduz que a interrupção do fornecimento de água é ilegal, pois baseado num débito indevido.

Em sua contestação, a empresa sustentou a legalidade da cobrança das faturas de consumo no período reclamado pela autora e a regularidade do hidrômetro, além de aduzir que os danos morais pleiteados são infundados.

Para o juiz Fábio Leandro, está mais do que provado que a empresa causou injusto dano moral à autora, ao interromper, indevidamente, o fornecimento de água para a sua residência com base em cobranças indevidas. "Estando presentes, pois, o ato ilícito e o dano moral, bem como o nexo causal entre eles, à luz do CDC, está configurada objetivamente a responsabilidade civil da Cagepa sobre os prejuízos causados à promovente pela cobrança indevida e pelo injusto corte no fornecimento de água, pelos quais fica na obrigação de reparar a promovente", frisou. Com informações da assessoria do TJ-PB. 

Clique aqui para ler a decisão
0854305-25.2017.8.15.2001




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 28 de fevereiro de 2021, 10h29

Comentários de leitores

2 comentários

Decisão temerária

GMorelli (Advogado Autônomo)

Decisão absolutamente temerária tendo em vista não ter sido realizada a necessária prova pericial com teste de bancada para demonstrar a regularidade do medidor, nos termos da portaria 295/2018 do INMETRO.

Temerária é a defesa

Hugo Tavares (Advogado Autônomo)

Temerária é a atitude da concessionária que corta o fornecimento de ÁGUA de uma família estando tão óbvio que o valor é absolutamente irreal e que deve analisar o próprio medidor.
O medidor é da concessionária, ela é responsável pelo seu funcionamento adequado e literalmente tacou o f...-se cobrando a cidadã e cortando o fornecimento.

Comentários encerrados em 08/03/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.