Consultor Jurídico

Parte vulnerável

Rescisão unilateral de plano de saúde coletivo exige motivação

Por 

A rescisão unilateral de contrato de plano de saúde coletivo pela prestadora do serviço, no caso de pessoa jurídica com menos de 30 beneficiários, só é válida se houver justificativa plausível.

O entendimento foi aplicado pela 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça ao manter decisão que reconheceu a ilegalidade do rompimento do contrato, mantendo assim sua validade.

A operadora levou o caso ao STJ afirmando que a rescisão seria válida, pois foi informada com antecedência conforme determina a Lei 9.656/98. No entanto, segundo o relator, ministro Moura Ribeiro, as regras citadas pela operadora só valem para contratos individuais ou familiares.

O ministro afirmou que a jurisprudência do STJ condiciona a validade da resilição unilateral do contrato pela operadora contra pessoa jurídica com até trinta beneficiários a apresentação de justificativa idônea, em virtude da vulnerabilidade desse grupo de usuários, e em respeito aos princípios da boa-fé e da conservação dos contratos. Essa justificativa, afirmou o ministro, não foi constatada no caso.

Clique aqui para ler a decisão
REsp 1.823.727

Topo da página

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 2 de março de 2020, 17h14

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 10/03/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.