Consultor Jurídico

Atos antidemocráticos

Alexandre determina cumprimento de 21 mandados de busca em inquérito

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, determinou o cumprimento de 21 mandados de busca e apreensão nesta terça-feira (16/6), no âmbito do inquérito que investiga o financiamento de grupos suspeitos de promover atos antidemocráticos.

Entre os alvos da Polícia Federal está o deputado Daniel Silveira (PSL-RJ), aliado do presidente Jair Bolsonaro, que confirmou as buscas pelo Twitter.

Segundo o G1, também são alvos de busca e apreensão o publicitário Sérgio Lima e o empresário Luís Felipe Belmonte, ligados ao partido que Bolsonaro pretende criar, o Aliança pelo Brasil; e Allan dos Santos, o Terça Livre, que já tinha sido alvo de buscas no inquérito das fake news.

De acordo com nota da PF, os mandados são cumpridos em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Maranhão, Santa Catarina e no Distrito Federal.

Prisões
Na véspera, a líder da milícia que se autointitula "300 do Brasil", Sara Winter, foi presa, junto de outros cinco integrantes do bando, no âmbito do mesmo inquérito. Alexandre autorizou a prisão temporária deles por cinco dias, para apurar como funciona o esquema de organização e captação de recursos para atos que ferem a Lei de Segurança Nacional.

Inq 4.828

Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 16 de junho de 2020, 8h38

Comentários de leitores

12 comentários

Desta vez 10 deputados e 1 senador...

Sergio Lins (Bacharel - Administrativa)

Talvez nem as ditaduras atuais do mundo estejam agindo com tanta ilegalidade e arbitrariedade, ao arrepio de toda a legislação existente. De uma autorização legal para apurações internas no STF se chegar a 10 Deputados e 1 Senador da República, de um inquérito ainda secreto e com parcial visualização de seus dados pelos advogados, deveria receber a descompostura de todo o meio jurídico, mas não é o que se ve. E vai piorando!

Deputados e Senadores.

Vercingetórix (Advogado Autônomo - Civil)

Ao menos este inquérito tem a conexão como justificativa para sua tramitação no STF.

Vidro ou vidraça.

caiubi (Outros)

Acredito que a referida ação deve ter seu curso normal, mas não no STF, pelo simples motivo, a partir do momento que STF começa da dar pitacos na vida Pública, no Executivo, Legislativo, ele simplesmente torna-se vidraça, tanto do Público, Executivo, Legislativo, só com mão de ferro e muito autoritarismo para tal fato ser coagido, onde se cria um mal estar danado, descontentamento, de o descredito do referido órgão superior. MUDE-SE o que necessário, SUPREMO só para causas constitucionais e fim de papo, saia da mídia, diminua a estrutura cara, repetitiva, quantos assessores, sendo transparente, com dos dados, publicação mensal e anual, custo de cada ministro, custo de cada julgamento, bem como ex. data da entrada do pedido, que pedido, partes, situação, ações prescritas, e o pq. Ministro do Supremo e mídia só combina se for para o ensinamento, e não para manifestar em entrevero da discórdia. A opinião pública não importa, sei disso, o pendulo é sempre assim, nunca será sereno, a viúva cega da estátua, de sega não tem nada ela está dando muito pitaco na vida pública expondo vaidades, interesses que provocam a ira popular. Tem gente que morrerá e nunca terá a sensibilidade para saber que sega não é a justiça, e sim quem tem obrigação dela fazer valer. Julgar sim mas sem olhar a quem. Difícil mas hoje escutei ".. A JUSTIÇA É TÃO SEGA, QUE SÓ POBRES ABARROTAM O SISTEMA CARCERÁRIO, SÓ POBRE PRATICAM DELITOS.... PRISÃO EM SEGUNDA INSTÂNCIA, ....." recuso por aqui o que escutei, quer saber já esqueci...

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 24/06/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.