Consultor Jurídico

Notícias

Exercício Profissional

Advogado pode atuar ainda que não pague OAB, decide TRF-3

Por 

Impor restrições ao exercício de atividades profissionais como forma indireta de obter o pagamento de tributos viola a liberdade profissional. 

Advogado pode atuar ainda que não pague OAB
Reprodução

Foi com base nesse entendimento que a 4º Turma do Tribunal Regional Federal da 3º Região decidiu que um advogado que está inadimplente com a Ordem dos Advogados do Brasil pode voltar a exercer a profissão.

De acordo com desembargadora Mônica Nobre, relatora do caso, o artigo 5º, inciso XIII, da Constituição, estabelece que é livre o exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão, atendidas as qualificações profissionais que a lei estabelecer.

No trecho da CF, afirma Mônica, não se encontra referência ao "adimplemento das anuidades devidas ao órgão de classe”. 

A desembargadora também argumentou que “o impedimento ao exercício profissional torna ainda mais difícil o adimplemento do débito”. 

A divergência foi aberta pelo juiz federal convocado Marcelo Guerra. De acordo com ele, embora a Constituição fale em livre exercício do trabalho, a Lei nº 8.906/93, que dispõe sobre o Estatuto da Advocacia e sobre a OAB, prevê a suspensão das atribuições profissionais em caso de dívida. 

“Nesse contexto, considero que a penalidade de suspensão imposta, em virtude do não pagamento da anuidade, é legítima e, portanto, pode ser aplicada, em razão de existir previsão legal específica a respeito”, afirma Marcelo, que acabou sendo voto vencido.

Em setembro a desembargadora já havia deferido uma liminar em favor do autor da ação. Na ocasião, ele conseguiu que a penalidade imposta pela OAB fosse suspensa até que o julgamento do caso.

Clique aqui para ler a decisão 
5023672-63.2019.4.03.0000

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 31 de janeiro de 2020, 20h07

Comentários de leitores

8 comentários

Advogado registro perante o Ministerio da Justiça

alvarojobal (Advogado Autônomo - Civil)

Em que pese a atuação tresloucada do fugido ex-presidente da Bolivia, aproveita-se o LEY Nº 387 DE 9 DE JULIO DE 201, que Artículo 6. (EJERCICIO). Para ejercer la abogacía en el territorio del Estado Plurinacional de Bolivia se requiere:
1. Título profesional de abogada o abogado.
2. Registro y matriculación en el Ministerio de Justicia.
3. Las abogadas y los abogados, se someterán al control del ejercicio profesional a través del Ministerio de Justicia o de los Colegios de Abogados.
Assim deveria ser no Brasil, se não quiser se escrever na OAB inscreva-se no Ministério da Justiça.
Também poderia aplicar nos Conselhos de Classe, estes deveriam ser extintos e os profissionais se inscreveriam perante os Ministerios, para medico o Ministério da Saúde, etc.
Não sendo possível a vinculação a nível ministerial, inscrever-se-ia no Ministério do Trabalho.

A lei serve para quê?

Flávio Ramos (Advogado Sócio de Escritório - Empresarial)

Na CF também não consta a obrigatoriedade de inscrição na Ordem ou do grau de bacharel em direito. Está liberado para todo mundo advogar agora?

Anuidade da oab

cac (Advogado Autônomo - Civil)

As autarquias federais são entidades às quais o Poder Público delega responsabilidades na fiscalização do bom desempenho profissional, agindo em favor dos interesses da sociedade. Apesar de representar o estado nessas atribuições, não recebem nenhuma subvenção do Governo e tem que se manterem, por isso, com as anuidades cobradas dos seus associados. Então, a anuidade passa a ser vital para a sobrevivência dessas entidades e a inadimplência deve ser punida com a suspensão do execício da profissão, apesar se ser uma penalidade severíssima, mas necessária, em vista do respeito que se deve ter com os demais inscritos adimplentes.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 08/02/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.