Consultor Jurídico

Colunas

Direito comparado

200 anos da Revolução Liberal do Porto

Por 

Em 20 de fevereiro deste ano, inicia-se na cidade do Porto, ao norte de Portugal, o ciclo de comemorações pelos 200 anos da Revolução Liberal de 1820. Esse acontecimento histórico é precursor da independência política do Brasil por diversas razões, sendo duas delas as mais importantes: a convocação das Cortes (Assembleia de Representantes do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves) e o retorno de D. João VI a Portugal.

A análise dessa efeméride histórica, mas também política e jurídica, exige que se retroceda até 1807, quando as forças napoleônicas invadiram Portugal e levaram à fuga da dinastia reinante para o Brasil em 1808. Com os franceses no país, o Reino passou a ser governado por um Conselho de Regência, liderado pelo Marquês de Abrantes[1]. Esse Conselho foi extinto em fevereiro de 1808 pelo General Junot[2], comandante francês da invasão.

Graças à reação inglesa, Portugal recuperou parcialmente sua soberania e deu início a uma longa guerra contra o invasor, que se estenderia por toda a Península Ibérica e envolvendo forças regulares e guerrilheiros de Espanha e Portugal.

Portugal viu-se dividido, destruído e governado militarmente pelos britânicos. Esse longo período de ocupação por forças estrangeiras acentuou as cisões internas no campo político e ideológico. Parte dos súditos de D. João VI desejava o fim da monarquia absoluta e adoção de modelos franceses, como os introduzidos em boa parte da Europa conquistada. Outra parcela dos portugueses desejava o retorno ao “status quo ante” e via nas “perigosas ideias francesas” uma ameaça à soberania e ao regime monárquico de Portugal[3].

Semelhantes divisões ocorreram em toda a Europa, mesmo após a queda de Napoleão em 1814, com seu retorno efêmero em 1815, seguido de sua derrota final para o Duque de Wellington (o mesmo general que libertou Portugal). Na vitoriosa Rússia, por exemplo, em 1825, os dezembristas (um grupo de militares e aristocratas) lideraram uma revolta contra o governo autocrático do czar Alexandre I[4], responsável pela derrota de Napoleão em 1812.

D. João VI, que estava no Brasil desde o começo de 1808, havia confiado o governo português, na prática, a um protetorado militar britânico. Em 1815, ele criou uma nova figura jurídico-política: o Reino Unido que englobava Portugal e o Brasil[5]. A ideia de Adam Smith[6] de transferência da coroa britânica para as colônias americanas, era posta em prática no império português.

A iniciativa do monarca português nos trópicos esbarrou, contudo, na rejeição dos habitantes da antiga metrópole. Em Portugal, a rejeição ao protetorado britânico deu início ao descontentamento popular. Na prática, a Coroa Portuguesa havia extinto os privilégios comerciais inerentes ao pacto colonial e, com isso, eliminado as fontes de lucro sem concorrência dos comerciantes metropolitanos.

A partir de uma curiosa aliança entre militares, religiosos e parte da aristocracia e da burguesia, o levante na cidade do Porto iniciou-se com uma proclamação política, uma missa e a ocupação dos centros de poder. A revolta posteriormente chegou à capital do país, ganhando a adesão do baixo oficialato e dos empobrecidos comerciantes de Lisboa. Os britânicos não conseguiram fazer frente à revolta. Talvez não mais lhe interessassem governar Portugal como procuradores de um rei nos trópicos. A ideia de livre-comércio havia-se tornado um mantra na política britânica e o regime português não conseguiria sustentar por muito mais tempo. A liberdade inaugurada com a elevação do Brasil ao “status” de reino não se deu sem sérias contradições em face do sistema metropolitano clássico.

O programa político dos revoltosos passava pela convocação das Cortes, a elaboração de uma constituição liberal para o país, o retorno da família real à metrópole e o fim das franquias comerciais (na prática, a restauração do pacto colonial). A revolta alcançou seu objetivo final em 28 de setembro de 1820, com a instituição da Junta Provisional do Governo Supremo do Reino.

Daquele momento em diante as contradições do liberalismo de 1820 se revelaram de modo incontornável.

A convocação das Cortes fez eleger representantes de Portugal e do Brasil. Pessoas de diferentes partes do território brasileiro encontraram-se em Portugal, como Bonifácio de Andrada, e viram nascer ou renascer o sentimento de pertença a uma comunidade com valores comuns. Ao mesmo tempo, perceberam o quão “liberais” eram as políticas propostas para o Brasil: a extinção de quase todas as franquias políticas, econômicas e jurídicas alcançadas desde 1808.

A volta da Família Real deu-se com um curioso detalhe: D. João VI deixara no Brasil seu filho Pedro, com funções governativas. Nunca se saberá ao certo se a decisão do rei de Portugal foi um ato de enorme presciência política, capaz de assegurar a continuidade da dinastia dos Bragança no território de ultramar, onde se localizava o futuro da monarquia.

Outra contradição da Revolta Liberal é a Constituição portuguesa de 23 de setembro de 1822, elaborada pelas Cortes Constituintes de 1820. Ela inspirou-se na Constituição de Cádiz de 1812 (de vida efêmera)[7], e nas Constituições francesas do período revolucionário (1791 e 1795). Em seu texto, há grandes inovações como um catálogo de direitos fundamentais, a fundação da soberania na nação (e não mais em Deus e na dinastia), o fim dos direitos excepcionais da aristocracia e do clero, a separação de poderes, com a supremacia legislativa e a conservação do sistema de uma monarquia ultramarina.

A Revolta Liberal não conseguiu evitar a perda da joia da coroa portuguesa: o Brasil havia declarado sua independência política em 7 de setembro de 1822, duas semanas antes da promulgação da nova constituição portuguesa. O texto constitucional de 1822[8] já nascia desatualizado, embora Portugal levasse mais três anos até reconhecer a independência nacional, por efeito do Tratado de Paz e Aliança de 1825.

O liberalismo de 1822 ainda provocou, ainda que tardiamente, uma guerra civil entre 1828 e 1834, que opôs os herdeiros de D. João VI: D. Pedro (Primeiro do Brasil e Quarto de Portugal) e D. Miguel, este último como líder das forças absolutistas. Os liberais terminaram por vencer e assegurou-se o trono a D. Maria II, filha de D. Pedro.

As celebrações da Revolta Liberal do Porto ocorrerão ao longo do ano, com eventos e cerimônias envolvendo autoridades portuguesas e da União Europeia. Essa efeméride mereceria também atenções especiais dos brasileiros, tamanho o impacto daquela inesperada sedição no Norte de Portugal, ocorrida há 200 anos, para o nascimento do Estado Brasileiro. A independência nacional, marcada pela proclamação às margens do riacho Ipiranga, em São Paulo, em 1822, não teria ocorrido como se deu sem a Revolta de 1820. Seus responsáveis talvez não imaginassem a amplitude de seus efeitos.

Agradece-se a Luís Felipe Rasmuss de Almeida pelo auxílio na revisão do texto e elaboração de notas de referência.


[1] O Conselho de Regência de 1807 foi ordenado em 26 de novembro daquele ano, previamente à transferência da Corte para o Brasil. Seu presidente era Pedro de Lancastre da Silveira Castelo Branco Sá e Meneses, detentor do título nobiliárquico “Marquês de Abrantes” (o quinto) entre 1771 e 1828.

[2] Jean-Andoche Junot, militar francês.

[3] Este receio, compartilhado pela monarquia, estava refletido na Lei de 17 de dezembro de 1794 acerca da Censura dos livros, que extinguiu-se a Real Mesa Censória, restaurando-se a fiscalização de obras para a tríplice composta por Tribunal do Santo Ofício, Desembargo do Paço e do Ordinário. Cf: Arquivo Nacional – Torre do Tombo. Disponível em: <http://digitarq.arquivos.pt/details?id=4311313>. Por sua vez, a íntegra da Lei de 17 de dezembro de 1794 está disponível em: “Colleção da Legislação Portugueza desde a ultima compilação das ordenações, redigida pelo Desembargador Antonio Delgado da Silva” em <http://www.governodosoutros.ics.ul.pt/?menu=consulta&id_partes=110&accao=ver&pagina=1>. Neste sentido, ainda: BASTOS, José Timóteo da Silva. História da censura intelectual em Portugal. 2. ed. Coimbra: Moraes, 1983, 221 p.

[4] A Revolta Dezembrista foi a inspiração original do escritor russo Liev Tolstói na elaboração do romance que culminou na obra “Guerra e Paz”, tratando em grande medida das guerras napoleônicas na Rússia.

[5] Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves, designado em 16 de dezembro de 1815. Sobre o tema, foi publicado artigo na edição de 16 de dezembro de 2015 da Folha de S. Paulo, redigido pelo Ministro José Antonio Dias Toffoli, pelo Professor Catedrático Jorge Miranda e este autor: <https://www.conjur.com.br/2015-dez-16/reino-portugal-brasil-possuia-estrutura-juridica-avancada>.

[6] Tais ideias são essencialmente discutidas no capítulo VIII do Livro 4 (On Colonies) na obra “A Riqueza das Nações”. SMITH, Adam. An Inquiry Into the Nature and Causes – Of the Wealth of Nations. Nova Iorque: Random House, 1937.

[7] Sobre a Constituição de Cádiz, este autor publicou artigo neste sítio virtual do ConJur: <https://www.conjur.com.br/2012-out-31/direito-comparado-constituicao-vigorou-24-horas-brasil>.

[8] Sobre o tema: MIRANDA, Jorge. O constitucionalismo liberal luso-brasileiro. Lisboa: Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 2001, 307 p.

 é coordenador da área de Direito da Capes, professor associado (livre-docente) em Direito Civil da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP) e doutor em Direito Civil, com estágios pós-doutorais na Universidade de Lisboa e no Max-Planck-Institut für ausländisches und internationales Privatrecht (Hamburgo). Acompanhe-o em sua página.

Revista Consultor Jurídico, 15 de janeiro de 2020, 12h52

Comentários de leitores

2 comentários

Entender a história é fundamental para entender o Direito

Fernando Lemme Weiss (Procurador do Estado)

Parabéns pela análise objetiva e clara. Apesar dos vínculos históricos, até hoje as ideias liberais não foram adequadamente absorvidas pela sociedade brasileira

Responder

200 anos da revolução liberal do porto

Luiz Carlos Costa de Moura (Advogado Autônomo - Criminal)

A história nos mostra os caminhos traçados pelos ancestrais como herança política a qual vamos mudando passo a passo e, embora muitos não pensem assim, a passos bem lentos.Por isso a História é um tema fascinante e importante para entendermos a atualidade.Admiro os professores e estudiosos da história mundial e do Brasil.Texto excelente.Parabéns!

Responder

Comentários encerrados em 23/01/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.