Consultor Jurídico

Notícias

Arrecadação paralela

Ação pede que STF declare inconstitucional contribuições ao Fethab

Por 

A Sociedade Rural Brasileira ajuizou ação no Supremo Tribunal Federal, nesta segunda-feira (10/2), para questionar a constitucionalidade do Fundo de Habitação e Transporte (Fethab).

Entidade sustenta que Fethab é uma arrecadação paralela que passou a onerar o Estado
Reprodução

Criado pela Lei 7.263/2000, do estado de Mato Grosso, o fundo é destinado a manutenção de estradas.

De acordo com a ação, porém, ele é usado para destinações diversas, sendo repassado aos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, além de entidades privadas, como associações de classe. 

Os fundos, segundo a entidade, "passaram a onerar a cadeia produtiva e afetando a competitividade do setor, em escala interestadual e de exportação". Além disso, forçaram o produtor mato-grossense a pagar o valor como condição para poder diferir o ICMS.

Na ADI, os advogados sustentam que "trata-se de uma 'contribuição voluntária' criada pelo Estado a partir de materialidade típicas de imposto, sob a justificativa de não ser compulsória, para um 'fundo' previsto para custear despesas típicas de impostos, que incidem sobre a cadeira produtiva". 

Os advogados alegam que, embora criado para melhorar a estrutura viária, o fundo foi ampliado "de modo que 60% de suas receitas podem ser destinadas nas mais diversificadas áreas, inclusive aquelas que não geral efeito algum à atividade rural".

"A Lei instituiu o Fethab e obrigou seu recolhimento em certas operações, além de condicionar a fruição do diferimento do ICMS e a imunidade das exportações ao seu pagamento", argumentam os advogados Leonardo Furtado Loubet, Manuel Eduardo Borges, Marcelo Guaritá e Pedro Gonçalves de Souza.

Para a entidade, caso o Poder Judiciário não "estabeleça um rápido freio nesse novo mecanismo de arrecadação paralela (...) terá cada vez menos impostos e mais 'fundos', tornando inócuas as prescrições constitucionais que tanto zelam pelo dinheiro do cidadão". A ADI foi distribuída ao ministro Gilmar Mendes.

Tema controverso
O Fethab já foi criticado em diversos artigos na ConJur. Em um deles, o tributarista Fernando Scaff coloca o fundo numa lista de “aberrações tributárias” que deveriam ser eliminadas.

No mesmo sentido, o tributarista Igor Mauler Santiago usou as operações com soja para mostrar como o Fethab e contribuições “voluntárias” semelhantes ao Iagro incidem sobre diversos produtos. 

“As contribuições para o Fethab e adicional e ao Iagro têm natureza de ICMS, decorre a inconstitucionalidade de todas as suas incidências, por violação ao artigo 167, IV, da Constituição, que proíbe a vinculação da receita de impostos a órgão (o Iagro), fundo (o Fethab) ou despesa”, explicou. 

Clique aqui para ler a inicial
ADI 6.314

 é correspondente da revista Consultor Jurídico em Brasília.

Revista Consultor Jurídico, 10 de fevereiro de 2020, 19h03

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 18/02/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.