Consultor Jurídico

"Show do Ronald McDonald"

TJ-SP reconhece que McDonald's praticou publicidade infantil em escolas

Por 

Ainda que o show veiculasse conteúdos educacionais, a forma de apresentação, por meio de um personagem da marca, transmite uma mensagem associada ao consumo. Com esse entendimento, a Câmara Especial do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve sentença que reconheceu a abusividade e ilegalidade do "Show do Ronald McDonald", promovido pelo McDonald's em creches e escolas de educação infantil das redes pública e privada.

123RFTJ-SP condena McDonald's por publicidade infantil ilegal em escolas

Os desembargadores concluíram, por unanimidade, que a ação promovida pela empresa configurava estratégia de publicidade infantil, e não uma atividade meramente educativa. A decisão se deu ação civil pública movida em 2016 pela Defensoria Pública do Estado de São Paulo. Conforme a decisão, o McDonald's está proibido de realizar os shows em escolas paulistas, sob pena de multa de R$ 100 mil por evento.

O programa Criança e Consumo, do Instituto Alana, que denunciou o caso e atua como amicus curiae no processo, comemorou a decisão. Em 2013, o programa fez um levantamento e constatou que, apenas no mês de julho, mais de 80 apresentações do palhaço Ronald McDonald, mascote da marca, aconteceram em escolas de cinco estados brasileiros: Bahia, Paraná, Rio de Janeiro, Santa Catarina e São Paulo.

"Os shows eram protagonizados pelo personagem mascote da empresa na época e o logotipo da lanchonete aparecia o tempo todo no cenário. Isso demonstra que não se tratava de uma proposta isenta, mas, sim, que havia um notório interesse comercial por trás do suposto conteúdo educativo apresentado", afirmou Livia Cattaruzzi, advogada do programa Criança e Consumo.

Segundo ela, as empresas não podem usar o espaço escolar como palco de suas estratégias de marketing, com o objetivo de fidelizar o público infantil, "inclusive porque é um ambiente onde as crianças estão desacompanhadas de seus responsáveis, que não podem orientar seus filhos sobre o que pode ou não ser visto".

Processo 1127739-71.2016.8.26.0100

Topo da página

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 24 de agosto de 2020, 11h54

Comentários de leitores

3 comentários

O tempora, o mores...

L.F.V., LL.M (Advogado Assalariado - Tributária)

Se o palhaço estivesse nu, denotasse temas do baixo ventre e contasse com patrocínio de instituição financeira, decerto encontraria entusiástica guarida constitucional.

Intervencionismo

Alessandro - DF (Advogado Autônomo - Civil)

Agora quem decide o que uma criança deve consumir ou não é o estado por meio de um dos poderes mais famigerados que existe, o judiciário?

Quem deve decidir o que uma criança deve ou não consumir é os pais.

Pior mesmo é a imposição de ideologias sem fundamento científico que tem sido enfiado goela abaixo de crianças.

Papai Noel não é Tubaína.

Professor Edson (Professor)

Então vamos proibir o Papai Noel também , afinal sabemos o contexto!!!

Comentários encerrados em 01/09/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.