Consultor Jurídico

Lógica Inversa

União não deve indenizar homem que hostilizou Gleisi em aeroporto, diz TRF-4

Por 

Expor autores de ameaças e hostilidades, ainda que no Plenário do Senado, não gera indenização por danos morais. O entendimento é da 3ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, em decisão proferida em 28 de julho. 

Homem participou de cerco à deputada petista e pediu indenização ao ser exposto    Jefferson Rudy/Agência Senado

O caso concreto envolve um acontecimento de 2016: a deputada federal Gleisi Hoffmann (PT-PR), então senadora, foi cercada por manifestantes no aeroporto Afonso Pena — na Região Metropolitana de Curitiba —, que a insultaram.

Após a agressão, ela relatou o caso no Senado, expondo a foto de dois dos participantes. Um deles, Jofran Rodrigo Ferreira, entrou com ação, alegando que a petista incitou "o ódio de seus simpatizantes" contra ele e que, por isso, foi alvo de ameaças. Também alegou que a então senadora o tratou como um "criminoso terrorista". Diante dessas alegações, pleiteou da União R$ 100 mil, a título de danos morais.

O homem havia filmado a cena no aeroporto e feito sua divulgação em uma rede social. Na ocasião, Hoffmann foi chamada por alguns dos presentes de "cínica", "puta", "vagabunda", "corrupta", entre outros impropérios. Jofran aparece no vídeo afirmando que "é assim que o povo recebe os petistas".

De sua publicação constavam comentários de terceiros dizendo que a senadora deveria ser linchada e tratada "na porrada pra aprender a virar gente". As agressões foram apagadas posteriormente, mas constaram em manifestação da Advocacia Geral da União. 

Para o desembargador Rogério Favreto, relator do caso, ao ajuizar a ação, Jofran buscou legitimar sua atitude ofensiva, invertendo a lógica agressiva para obter indenização por danos morais. 

"O autor utiliza o conflito por ele mesmo iniciado para intentar, perante o Judiciário, o ganho de uma indenização por supostos danos morais por comportamento que ele mesmo incentivou no âmbito daqueles com que compartilha afinidade política", afirmou o magistrado, destacando também que "a ninguém é dado beneficiar-se da própria torpeza". 

Para o desembargador, não ficou comprovado que o autor foi ameaçado por causa da declaração pública de Hoffmann, já que ele é uma figura relativamente conhecida — casado com uma suplente de deputada federal que já tentou se eleger — e que se colocou, de forma autônoma, no centro das discussões ao publicar o vídeo em que aparece hostilizando a petista. 

"A parte autora nega responsabilidade pelas ameaças realizadas por seus apoiadores, em resposta ao seu vídeo contra a senadora. Ao mesmo tempo, busca impor à senadora a responsabilidade por comentários hostis proclamados por pessoas com que não possui vínculo algum. Tal discurso de 'dois pesos, duas medidas', configura contradição grave no discurso do autor", diz Favreto. 

Liberdade de expressão
Na decisão, o magistrado aproveitou para falar sobre um fenômeno cada vez mais frequente no Brasil: as manifestações fora do meio adequado, que atingem a vida privada de autoridades. 

No meio virtual, com a possibilidade de se manifestar de forma anônima, diz, o linchamento virtual e o comportamento de massa se intensificou. 

"Os indivíduos, isolados, não se comportariam com agressividade e truculência. Mas, dentro de uma multidão, somando-se ao relativo anonimato da internet, sucumbem ao discurso de ódio, às ameaças, à desumanização do adversário político, passando a desrespeitá-lo em qualquer local e contexto, até em sua vida privada", diz. 

Ainda de acordo com a decisão, "a proteção da vida privada se estende aos parlamentares: não podem estes ser objeto de críticas e cobranças fora de um contexto saudável de debate democrático". "Tais manifestações devem guardar um mínimo de civilidade e respeito, sem adentrar na esfera da vida pessoal, da vida privada, familiar e social de cada um".

Clique aqui para ler a decisão
5063339-83.2016.4.04.7000

Erramos: ao contrário do que dizia a primeira versão desta reportagem, o processo não foi ajuizado contra a deputada federal Gleisi Hoffmann. Ela integrou o polo passivo, mas, posteriormente, foi retirada a pedido do autor da ação. Assim, a solicitação de indenização era endereçada apenas à União. 




Topo da página

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 3 de agosto de 2020, 21h09

Comentários de leitores

6 comentários

A tempo...É inacreditável

Paulo Marcelo (Advogado Autônomo - Civil)

O dito Desembargador é absolutamente suspeito para julgar este caso, sendo personagem de fato envolvendo Lula em caso da Novela da Globo "Lava-jato"! Caso de evidente pessoalidade!!!
Bem sabemos que esse é o tipo de ato republicano que o Judiciário sempre exerceu, sendo somente agora porem que o povo está a ver a teia suja que aí se tece!

Torpeza judicial

Paulo Marcelo (Advogado Autônomo - Civil)

Decisão típica de um fantoche é afirmar que o que ela fez na Câmara tem ligação com fatos ocorridos dias antes! Evidente que as situações são independentes, ou se estará autorizada a legitima defesa contra uma agressão dias depois??? Justiça brasileira está fornecendo elementos bons para a sua destituição em massa.

#mudastf

E.Rui Franco (Consultor)

E o autor e seus acompanhantes, por acaso falaram alguma mentira ?
É os Intocáveis honestos e probos podem expor, mas exponha os e terá que ir às barbas do #MonteOlimpoeSeusDeuses

Não cabe exceção da verdade

JCCM (Delegado de Polícia Estadual)

Vossa senhoria, com certeza, conhece a legislação, portanto sabe que não cabe exceção da verdade em crimes de injúria e ameaça...

A ex senadora é quem deveria ter promovido ações penal e civil em desfavor do fanfarrão.

Ou o senhor advoga a volta da lei de Talião?

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 11/08/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.