Consultor Jurídico

Fake news

Alexandre de Moraes determina que delegados da PF sigam em inquérito do STF

Após as demissões de Sergio Moro do Ministério da Justiça e Segurança Pública e de Maurício Leite Valeixo do comando da Polícia Federal, o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, ordena que não haja trocas nos delegados da PF envolvidos no inquérito de apuração das fake news contra integrantes da corte e da realização de protesto em favor do AI-5.

Ministro Alexandre de Moraes, do STF, é o relator dos inquéritos das fake news
Felipe Lampe

Segundo o ministro, as investigações dos inquéritos deverão continuar a ser conduzidas pelo delegado federal Alberto Ferreira Neto, em São Paulo, e da equipe de Brasília, composta pelos delegados federais Igor Romário de Paula, Denisse Dias Rosas Ribeiro, Fábio Alceu Mertens e Daniel Daher.

A decisão visa, portanto, evitar trocas na corporação no que diz respeito aos Inquéritos 4.781 e 4.828. Mudanças na Polícia Federal foram o motivo do desentendimento entre o ex-ministro Moro e o presidente Jair Bolsonaro.

Nesta sexta-feira (24/4), após Bolsonaro demitir o diretor da Polícia Federal, Maurício Valeixo, Moro pediu apontou tentativa de interferência por parte do presidente na corporação ao anunciar sua saída.

A ConJur publicou nesta quinta-feira (23) que as investigações chegaram ao gabinete do ódio, comandado pelo vereador Carlos Bolsonaro (RJ), o filho "zero dois" do presidente da República.

Inquérito 4.781
Inquérito 4.828




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 24 de abril de 2020, 21h15

Comentários de leitores

13 comentários

Moro sempre foi maior que mitologia

Leonardo Tomé (Advogado Autônomo)

Um presidente querendo mexer na Direção da polícia pra proteger os deputados aliados. Tem prova do crime (obtida legalmente junto ao símbolo maior da Lava Jato). O pessoal que acredita em mitologia vai acordar?

Bolsonaro não tem nenhum histórico de combate à corrupção em mais de trinta anos na política. Moro é quem enfrentou os grandes de praticamente todos partidos. Ele sabe que não poderia ser envolver na crescente podridão da família bolsonaro. Só os piores políticos, processados pela Lava Jato, sobraram no apoio ao presidente.

Descrença

doniAssis (Administrador)

Pode isto um Ministro interferir nos assunto de Chefe de Estado? Isso não seria uma interferência nos poderes? Absurdo por denuncias apenas não materializada em provas tomar uma decisão desta. Seria por algum outro motivo? Porque o povo a cada dia vê estas decisões como golpe. Um chefe de estado não tem a prerrogativa de ser ouvido antes? Sou totalmente leigo mas é um absurdo tudo isto Sr alexandre.

Ilegalidade

ranolfo alves (Advogado Autônomo - Criminal)

A designação do exercício funcional no âmbito interno da Polícia Federal é da exclusiva competência das respectivas chefias desse órgão do Poder Executivo, mesmo que seja na esfera da polícia judiciária. O ato praticado pelo digno Ministro do STF, com a devida vênia é manifestamente ilegal, sujeitando-se à correção via mandado de segurança

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 02/05/2020.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.