Consultor Jurídico

Notícias

21 réus

Advogados pedem nulidade de processo sobre corrupção em Campinas

Por 

O julgamento de um processo sobre um esquema de corrupção na Prefeitura de Campinas já dura mais de quatro horas na 15ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo. A ação tem 21 réus — quatro absolvidos em primeira instância, em que houve recurso do Ministério Público, e 17 condenados por crimes de corrupção e fraude em licitação. Dos condenados, o MP também pediu a majoração das penas.

14 advogados fizeram sustentação oral pedindo a nulidade das condenações. Alguns, com falas mais duras contra a acusação do MP. Augusto Botelho, que defende Aurélio Júnior, ex-diretor da Sanasa, afirmou que a Promotoria mentiu na produção de provas e induziu o juiz de primeiro grau ao erro. “O que o MP chama de questiúncula, eu chamo de desrespeito ao devido processo legal, de desrespeito ao Estado democrático de direito”, afirmou.

Eduardo Carnelós, que defende a ex-primeira-dama de Campinas Rosely dos Santos, também criticou os excessos da acusação. “O que se tem desde o início desse processo é abuso, uma acusação sem limites éticos”, afirmou.

Os advogados também alegaram que a denúncia é genérica e embasada apenas nos depoimentos de um delator do esquema, Luiz Aquino, ex-presidente da Sanasa, que também está entre os réus. “Em 43 anos de advocacia, nunca vi um juiz fixar as penas por atacado, não individualizou nada para ninguém”, afirmou Marcelo Leonardo, advogado de dois empresários acusados de pagarem propina a agentes públicos de Campinas.

O advogado do empresário José Carlos Cepera, Fernando da Nóbrega Cunha, foi na mesma linha e também falou em “condenações por atacado”. “Por mais homogêneo que seja um grupo, é difícil acreditar que tenham características tão semelhantes a ponto de receberem penas iguais”. A fragilidade das provas e das declarações do colaborador também foram abordadas nas sustentações orais.

A fala da acusação
O procurador de Justiça Francisco Cembranelli também foi duro em sua manifestação, logo no início da sessão. Ele chamou a ex-primeira-dama de Campinas Rosely dos Santos, apontada como chefe do esquema de corrupção, de uma pessoa de “extrema periculosidade” e “Lili Carabina dos tempos modernos”. Ao pedir a majoração das penas, Cembranelli afirmou que esse julgamento poderá “servir de exemplo para que bandidos do colarinho branco parem de achar que a Justiça não os alcançará”.

O caso
Descoberto em 2010 a partir da delação de Luiz de Aquino, o esquema ficou conhecido como “caso Sanasa” por envolver irregularidades em contratos da Sanasa, a empresa responsável pelo saneamento básico em Campinas. O MP afirma que houve fraude em licitações para favorecer algumas empresas que, em contrapartida, repassaram propina a agentes públicos. Os desvios teriam alcançado R$ 189 milhões.

O esquema levou à cassação do então prefeito Hélio de Oliveira Santos, o dr. Hélio. O vice, Demétrio Vilarga, assumiu o cargo, mas também foi cassado meses depois por envolvimento no esquema. Entre os réus, estão funcionários da Prefeitura, ex-secretários municipais, lobistas e empresários, incluindo Dalton Avancini, ex-presidente da Camargo Corrêa, que hoje é delator da “lava jato”.

A sentença de primeiro grau foi proferida em dezembro de 2015. Segundo o MP, Rosely dos Santos teria chefiado o esquema. Ela foi condenada a 20 anos de prisão. Em razão do papel de Rosely no esquema, sua defesa pediu para ser a última a sustentar, o que foi aceito pelas demais partes. Somente depois disso, o relator, desembargador Ricardo Sale Júnior, vai proferir seu voto, que tem 260 páginas.

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 5 de setembro de 2019, 17h55

Comentários de leitores

1 comentário

Cidade de campinas, no estado de são paulo

O IDEÓLOGO (Outros)

"Campinas é um município brasileiro no interior do estado de São Paulo, Região Sudeste do país. Pertence à microrregião e mesorregião homônimas, distante 99 km a noroeste de São Paulo, capital estadual. Ocupa uma área de 797,6 km², da qual 238,323 km² estão em perímetro urbano e os 559,277 km² restantes constituem a zona rural. Em 2018, sua população foi estimada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística em 1 194 094 habitantes, sendo o terceiro município mais populoso de São Paulo (ficando atrás de Guarulhos e da capital) e o décimo quarto de todo o país. Aparece em quinto lugar entre 100 municípios analisados pelo Índice das Melhores e Maiores Cidades Brasileiras, o BCI100, elaborado pela Delta Economics & Finance com base nos dados do Censo 2010 do IBGE e do Ideb.
Campinas foi fundada em 14 de julho de 1774. Entre o final do século XVIII e o começo do século XX, a cidade teve o café e a cana-de-açúcar como importantes atividades econômicas. Porém, desde a década de 1930, a indústria e o comércio são as principais fontes de renda, sendo considerada um polo industrial regional. Atualmente, é formada por seis distritos, além da sede, sendo, ainda, subdividida em 14 administrações regionais, cinco regiões e vários bairros.

Décima cidade mais rica do Brasil, hoje é responsável por pelo menos 15% de toda a produção científica nacional, sendo o terceiro maior polo de pesquisa e desenvolvimento brasileiro.[15] Tem também diversos atrativos turísticos, com valor histórico, cultural ou científico, como museus, parques e teatros. A Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas, fundada em 1974, é considerada uma das principais do país (Fonte Wikipédia).

Comentários encerrados em 13/09/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.