Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Confluência de ideias

Nota de procuradores sobre escola sem partido é cópia de nota do autor do projeto

Por 

No início de novembro, um grupo de mais de 200 membros do Ministério Público do Brasil inteiro resolveu publicar uma "nota técnica" para defender a constitucionalidade do projeto Escola Sem Partido. O texto é cópia de um parecer publicado pelo advogado Miguel Nagib, autor do projeto e responsável pelo movimento, seis meses antes.

A nota dos procuradores não cita o trabalho original, um parecer a favor da constitucionalidade de projetos que instituem o Escola Sem Partido na cidade e no estado de São Paulo.

Escola Sem Partido é o nome que Nagib deu à sua ideia de proibir professores de escolas públicas de defender o que ele considera posições políticas, ideológicas e religiosas — no último caso, estariam liberados com autorização expressa dos pais dos alunos.

Clique aqui para ler o parecer de Miguel Nagib.
Clique aqui para ler a "nota técnica" do Ministério Público.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 20 de novembro de 2018, 17h37

Comentários de leitores

2 comentários

A cara do Escola Sem Partido

SMJ (Procurador Federal)

Cópia vergonhosa sem mencionar a fonte!
Ainda bem que não tive o desprazer de conhecer nenhuma dessas figuras que assinaram a tal "nota técnica".
Isso é a cara desse movimento Escola Sem Partido, mostrando o elevado nível ético e técnico de seus defensores.

Picareta

Felipe Soares de Campos Lopes (Advogado Assalariado - Criminal)

O ESP não "proíbe" a expressão de posições do professor. Apenas deixa claro que sala de aula não é palanque e que doutrinação não é dever de professor.
Se proibisse, eu apoiaria o projeto. Já está na hora de criminalizar a esquerda, mesmo.

Comentários encerrados em 28/11/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.