Consultor Jurídico

Decisão fundamentada

Negada liberdade a empresário preso por envolvimento com o tráfico

Por não ver abuso de poder ou manifesta ilegalidade, o vice-presidente do Superior Tribunal de Justiça, ministro Humberto Martins, negou pedido de liminar em Habeas Corpus para soltar um empresário preso em maio, acusado de envolvimento com o tráfico de drogas.

No exercício da Presidência da corte, o ministro concluiu que a prisão foi devidamente fundamentada na necessidade de se garantir a ordem pública e a aplicação da lei penal.

Na decisão, o ministro lembrou que o empresário é acusado de integrar uma organização criminosa que movimentou, apenas no período de 2014 a 2017, mais de US$ 140 milhões recebidos por cerca de 27 toneladas de cocaína.

“O decisum ainda destaca que há efetivo risco à aplicação da lei, porquanto comprovado por meio de escutas telefônicas que o paciente pretende evadir-se do país para viver nos Estados Unidos da América, em especial depois de ter sido condenado a 13 anos, por conselho de sentença, pelo crime de homicídio, condenação que aguarda análise de apelação.”

O empresário foi preso na chamada operação efeito dominó, que é um desdobramento de outra operação que prendeu em 2017 um dos maiores traficantes da América do Sul, segundo a Polícia Federal. Esse traficante teria relações com empresário no mesmo grupo que atuava no tráfico internacional de drogas e lavagem de dinheiro.

A defesa alegou que as suspeitas iniciais sobre o empresário partiram de premissas equivocadas contra ele, o que caracterizariam a prisão cautelar como desnecessária, e a decisão do tribunal de origem que manteve a prisão como teratológica.

Segundo o Ministério Público, o empresário atuava no setor de blindagem de veículos, comércio de carros, além de ser dono de franquias de restaurantes. O MP narra que, apesar de atuação como empresário em diversos ramos, ele planejava uma fuga para os Estados Unidos, para escapar da prisão referente à condenação pelo crime de homicídio, em outro processo.

O mérito do pedido de Habeas Corpus será analisado pela 6ª Turma do STJ, sob a relatoria do ministro Rogerio Schietti Cruz. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.

HC 460.458




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 31 de julho de 2018, 10h11

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 08/08/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.