Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Liberdade provisória

Réu pobre não pode ficar preso apenas por não conseguir pagar fiança, diz Laurita

Réu pobre não pode permanecer preso preventivamente apenas por não ter condições de pagar a fiança. Esse foi o entendimento da presidente do Superior Tribunal de Justiça, ministra Laurita Vaz, ao conceder a liberdade provisória a um homem flagrado com drogas preso há mais de 70 dias por não ter como pagar fiança.

A ministra observou que, embora não haja nos autos prova plena de que o réu possui ou não condições financeiras para arcar com o valor da fiança arbitrada — um salário mínimo —, as particularidades do caso “indicam claramente que a falta desses recursos realmente é o fator que impediu a sua liberdade”.

O homem teve concedida a liberdade provisória pelo juízo de primeiro grau, condicionada ao pagamento de R$ 937. O juiz considerou que, mesmo que venha a ser condenado, diante da primariedade, a pena privativa de liberdade possivelmente será igual ou inferior a quatro anos e substituída por restritiva de direitos. Desde 16 de outubro de 2016, data da decisão, sua defesa vem se insurgindo contra a imposição do pagamento da fiança, sem êxito.

“Entendo que a medida cautelar de fiança não pode subsistir, pois ofende a sistemática constitucional que veda o fato de pessoas pobres ficarem presas preventivamente apenas porque não possuem recursos financeiros para arcar com o valor da fiança arbitrada”, concluiu Laurita Vaz na decisão que deferiu a liminar em Habeas Corpus.

Ao decidir pela liberdade do réu, a ministra aplicou medidas cautelares diversas da prisão previstas no artigo 319 do Código de Processo Penal: comparecimento periódico em juízo, no prazo e nas condições a serem fixadas pelo juízo processante, devendo comparecer, ainda, a todos os atos processuais; e proibição de ausentar-se da comarca sem prévia e expressa autorização do juízo.

A concessão da liberdade provisória vale até o julgamento do mérito do HC, que se dará na 6ª Turma do tribunal. O relator é o ministro Sebastião Reis Júnior. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.

HC 431.238

Revista Consultor Jurídico, 8 de janeiro de 2018, 10h49

Comentários de leitores

4 comentários

Fiança no tráfico?

Lcgomes.jr (Delegado de Polícia Estadual)

Arbitramento de fiança no tráfico de droga, pode isso Arnaldo?

Fiança. Interessa a quem?

Hilton Fraboni (Administrador)

A quem interessa estabelecer fianças para livrar alguém da cadeia? Parece suborno o ato de pagar à justiça um determinado valor e ir para casa responder em liberdade.
O mesmo vale para a prisão por não pagamento de "pensão" onde o estado gasta quase R$3 mil reais para impor um pagamento de valor irrisório de A para B.

Alfred marshall e a pobreza

O IDEÓLOGO (Outros)

Alfred Marshall (Londres, 26 de julho de 1842 — Cambridge, 13 de julho de 1924) foi um dos mais influentes economistas de seu tempo. Seu livro, Princípios de Economia (Principles of Economics) procurou reunir num todo coerente as teorias da oferta e da procura, da utilidade marginal e dos custos de produção, tornando-se o manual de economia mais adotado na Inglaterra por um longo período (Fonte Wikipédia).
Para Marshall, nada era mais degradante que a pobreza. Sobre isso, certa vez afirmou que: “o estudo das causas da pobreza é o estudo das causas da degradação de uma grande parte da Humanidade”.
Nos Principles, encontramos Marshall afirmando que “a pobreza em si deriva de baixos salários”. No entanto, cabe perguntar: e os baixos salários de onde vem? Para Marshall “baixos salários nada tinham virtualmente a ver com a produtividade, mas, sim, inteiramente com a existência do que Marx chamou de exército de reserva industrial´”.
A esse princípio, o professor Marshall que teve como alunos dentre outros, Keynes, Pigou e Joan Robinson, fez questão de acrescentar que “a pobreza decorre de condições estruturais, políticas e sociais, e que a sua atenuação não está no aperfeiçoamento ou numa mais eficiente operação do sistema de mercado livre, mas, antes, impondo-lhe medidas drásticas pelo governo e apoiando o crescimento de associações voluntárias e sindicatos trabalhistas(”https://www.oeconomista.com.br/alfred-marshall-um-eminente-economista-social/).

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 16/01/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.