Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

"Cego pela vaidade"

Janot acusou Navarro e Dilma para forçar impeachment, diz ex-ministro Aragão

O ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu a abertura de inquérito contra o ministro do Superior Tribunal de Justiça Marcelo Navarro, em setembro do ano passado, com o único intuito de destruir Dilma Rousseff e garantir que a ex-presidente sofresse o impeachment.  Quem afirma é o ex-ministro da Justiça e subprocurador-geral da República, Eugênio Aragão. Segundo ele, Janot sabia da correção de Navarro, tanto é que foi uma dos defensores da indicação dele para o STJ.   

Mesmo assim, às vésperas de o Senado Federal votar a admissibilidade do impedimento da petista, Janot resolveu mandar investigar Navarro e Dilma, unicamente por interesses políticos. A justificativa do então chefe da PGR era a delação premiada do ex-senador Delcídio do Amaral, que acusou Dilma de nomear o ministro para abafar a operação “lava jato”.

“O senhor [Janot], tanto quanto eu, conhecia bem Marcelo, pessoa corretíssima, de conduta ética irreprochável. Tanto que o senhor pediu por ele. Pedir pela indicação então é republicano e atender o pedido é criminoso?” argumenta.

No texto intitulado “Janot sai mesquinho, do mesmo modo que entrou”, publicado no site Diário do Centro do Mundo, Aragão expõe grande decepção com o colega de Ministério Público, a quem conhece há mais de 30 anos e considerava “parte de um projeto de defesa do Estado de Direito”.

Janot preferiu esconder sua fraqueza no moralismo, acusa Eugênio Aragão.
Isaac Amorim/MJ

Como exemplo da boa relação que tinham, o ex-ministro lembra do papel decisivo que teve para a nomeação de Janot na PGR. Ele conta que, apesar de Janot ter ficado em primeiro na lista tríplice da Associação Nacional dos Procuradores da República, a tendência era Dilma escolher Ela Wiecko para o cargo. “Nada valia seu boquirroto primeiro lugar na lista e, sim, a palavra por mim empenhada aos interlocutores da senhora presidenta da República de que o seu era o melhor nome”, relata.

Para sua decepção, entretanto, nos quatro anos em que esteve à frente da PGR, Janot se mostrou “um fraco”, pois a “vaidade é um sinal da fraqueza que acaba por contaminar qualquer propósito ético ou político”.

Os “larápios egoístas e escroques ousados” que estão no poder, criticado por Janot em sua carta de despedida, só estão lá porque ele deixou, aponta Aragão. Mas isso deve ter ocorrido porque a vaidade ofuscou a vista do então PGR, acredita o ex-ministro. “Pensar assim é menos grave que lhe apontar protagonismo no golpe de 2016. Foi, porém, sua omissão imprópria que permitiu a Temer e sua turma praticar o maior arrastão de que se tem notícia na história política do Brasil”.

Apesar da relação de longa data, Aragão comenta que não demorou a perceber que havia se equivocado sobre o colega de Ministério Público. Antes de ocupar o posto máximo da instituição, conta, Janot era um crítico da ação midiática da Justiça, principalmente do julgamento da Ação Penal 470, que analisou o “mensalão”. A atuação “politiqueira” de chefes do MP era criticada por ele, a começar pelo caso do ex-deputado José Genoíno que, segundo Aragão, Janot acreditava ter sido condenado por um jogo de conveniências, de forma injusta.

“Mal instalado na cadeira de PGR, pede a prisão de José Genoino, quem sabia inocente e a quem prometera proteger, se o caso fosse, até o abrigando em sua casa”, critica. Segundo ele, Janot foi escolhido porque tinha o perfil adequado para “acalmar o país” após a turbulência da AP 470, mas o acusa de ter feito exatamente o contrário.

Em relação à “lava jato”, ele lembra que, no início da operação, em 2014, o então procurador-geral ensaiou fazer um contraponto. Tentou conversar e buscou preservar ativos de empresas em risco. Após a “turma de Curitiba”, onde iniciou a operação, dar “piti”, ele recuou: "O senhor foi dominado pela paúra, né? Enfrentar adversidades não parecia ser seu forte”.

Janot preferiu esconder sua fraqueza no moralismo tacanho que faz sucesso no país dominado pela falta de ideias e de ideais, lamenta Aragão. Como o impulso era seguir a manada no seu estouro contra as instituições, passou a fustigar a presidente que o nomeou no esforço de pacificação nacional, diz. Ele também lembra quando o juiz Sérgio Moro, responsável pela "lava jato" em primeira instância, divulgou gravações da então presidente sem autorização judicial, em flagrante ilegalidade, e Janot nada fez. 

Revista Consultor Jurídico, 23 de setembro de 2017, 16h07

Comentários de leitores

6 comentários

Nota da Redação - comentário ofensivo Comentário editado

Pé de Pano (Funcionário público)

Comentário ofensivo removido por violar a política do site.

CURUPIRA. E o bom senso???!!!

Thadeu de New (Administrador)

Com tantas e tão graves colocações constantes do artigo, vir falar de "Emenda do Senado", quando TODO o processo está viciado e eivado de absurdos, inconstitucionalidades e tudo mais acaba por ferir o bom senso. Estaríamos reeditando o curupira só que agora não os pés, mas a cabeça voltada para trás???!!!!

O homem que amava a verdade obscura

Luiz Fernando Cabeda (Juiz do Trabalho de 2ª. Instância)

Aragão continua com sua arenga, que hoje já se afigura interminável, contra o ex-colega e aliado - igualmente desfigurado por armar "guerras de papel" decorrentes unicamente de sua preocupação em acumular poder -, pois acredita que Janot é um poço traiçoeiro onde se afogam todas as virtudes morais.
Aragão perdeu o seu discurso: só consegue publicar em meios partidários, como é o caso do Diário do Centro do Mundo, publicação que esteve na lista das subsidiadas por fundos criados durante o governo Dilma e que patrocinavam a claque de apoio.
Até mesmo a personagem Dilma Bolada, veio a se saber depois, era patrocinada.
Aragão refaz intrigas palacianas, revela manobras e sugere que Janot traiu.
Mas teria traído o que e a quem, se nunca assumiu compromissos além da única fidelidade por ele conhecida, em relação ao estamento burocrático, ao espírito corporativo, às 'prerrogativas' de mando tão bem estudadas por Raymundo Faoro em "Os Donos do Poder".
Aragão participou das trampolinagens dignas de um Macunaíma e agora vê, bem distante, a estrela cadente que o guiava, que morre além das serras do Orinoco, na mitologia das tribos indígenas de Roraima.
Jamais Aragão poderia ter assumido o Ministério da Justiça, pois estava na ativa do MP federal e, ao que tudo indica, não havia optado pelo regime jurídico anterior à Constituição de 1988. A indagação feita pela OAB para esclarecer isso nem mesmo foi respondida.
Sua militância 'a latere' das funções de procurador da República não lhe conferem 'autenticidade' alguma contra o 'impostor' agora por ele descrito como sendo o 'verdadeiro' Janot.
Ambos abusaram do poder político a que serviram.
Esse poder acabou.
Ainda não lhes caiu a ficha e é tarde demais para reivindicar outro e melhor papel na História.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 01/10/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.