Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Proteção à maternidade

Gilmar Mendes concede prisão domiciliar a mãe de duas crianças

Considerando a proteção à maternidade e à infância, o ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes concedeu liminar concedendo prisão domiciliar para uma mulher, mãe de duas crianças, presa preventivamente acusada de associação para o tráfico de drogas.

A defesa da mulher impetrou habeas corpus no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, que rejeitou o pedido. Em seguida, o ministro do Superior Tribunal de Justiça Jorge Mussi negou liminar que pedia a concessão de prisão domiciliar para a ré. Segundo Mussi, a gravidade da conduta da mulher justifica a preservação da prisão preventiva.

No Supremo, a defesa reiterou o pedido formulado no STJ, ressaltando o fato de sua cliente ser mãe de dois filhos menores (uma criança de cinco e outra de 12 anos).

Ao julgar o caso, o ministro Gilmar Mendes afastou de início a aplicação da Súmula 691 do STF, que impede a análise de Habeas Corpus contra decisões de juízes de tribunais superiores que negam liminares também em HC. De acordo com o ministro, esse entendimento pode ser afastado no caso de configuração de constrangimento ilegal ou abuso de poder — o que ele considerou ter ocorrido.

O ministro Gilmar Mendes afirmou que, enquanto estiver sob a custódia do Estado, são garantidos ao preso diversos direitos que devem ser respeitados pelas autoridades públicas. Lembrou que a Constituição Federal prevê o direito à proteção da maternidade e da infância e o direito das mulheres reclusas de permanência com seus filhos durante a fase de amamentação, além da proteção à família.

Já na esfera infraconstitucional, citou a Lei 11.942/2009, que deu nova redação a dispositivos da Lei de Execução Penal para assegurar às mães presas e aos recém-nascidos condições mínimas de assistência. E, mais recentemente, o Marco Legal da Primeira Infância (Lei 13.257/2016) alterou a redação do artigo 318 do Código de Processo Penal, ampliando as hipóteses de concessão de prisão domiciliar e permitindo a substituição da prisão preventiva quando o agente for mulher com filho de até 12 anos de idade incompletos.

O relator assinalou ainda que as Regras de Bangkok, definidas em 2010 pelas Nações Unidas, privilegiam a adoção de medidas não privativas de liberdade no caso de grávidas e mulheres com filhos dependentes.

Assim, evidenciados no caso os requisitos da plausibilidade jurídica do pedido e do perigo da demora, o ministro deferiu liminar para determinar a substituição da segregação preventiva pela prisão domiciliar, até o julgamento de mérito do habeas corpus. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

HC 142.372

Revista Consultor Jurídico, 5 de maio de 2017, 11h21

Comentários de leitores

5 comentários

Irmã Dulce de toga

O Trovador (Outros)

Um "bondoso" Gilmar Mendes é um ''exemplo de vida'', procurando sempre se solidarizar com os que estão enjaulados, que exemplo de humanidade, mantendo a filosofia do "Habeas Corpus pra todo mundo", sendo solidário ao tratar o rico e o pobre da mesma maneira, mas que meigo da sua parte!
Se continuar assim, parecerá que quer tomar a vaga da falecida Irmã Dulce!
Não canso de repetir: "que exemplo de vida tem esse Gilmar"!
Hehehehehehehehe!!!

Viva!!!

Palpiteiro da web (Investigador)

Se quem rouba milhões merece HC, por que uma pobre coitada ficaria atrás das grades?!
Viva a mãe Mendes!

Se os ricos podem, os pobres também

Marco Martins (Professor Universitário - Civil)

Se a mulher do ex-governador do Rio de Janeiro obteve o mesmo benefício, por que não...

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 13/05/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.