Consultor Jurídico

Recrudescimento penal

Integrar facção criminosa é motivo suficiente para pena maior, diz Laurita Vaz

O fato de um réu ser membro de grande facção criminosa permite o recrudescimento (aumento) da pena na primeira fase da dosimetria. Assim entendeu a presidente do Superior Tribunal de Justiça, ministra Laurita Vaz, ao manter acórdão do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro que fixou pena de 4 anos e 1 mês de prisão a um condenado por envolvimento com tráfico de drogas.

Segundo a denúncia, o homem tinha a função de depositar valores recebidos com a venda de entorpecentes em contas ligadas à facção criminosa Comando Vermelho. Ele foi condenado em primeiro grau a 3 anos e 6 meses de prisão, por associação criminosa, mas a pena foi ampliada para 4 anos e 6 meses.

A defesa do réu pediu Habeas Corpus para afastar o aumento da pena-base, alegando que o acórdão não apresentou fundamentação concreta que justificasse a pena maior. Os advogados também tentavam restabelecer trecho da sentença que havia substituído a privação de liberdade por pena restritiva de direitos

Laurita Vaz negou o pedido de liminar. Segundo ela, o TJ-RJ baseou o acréscimo de um ano de prisão na comprovação de que o réu integrava a maior facção criminosa do Rio de Janeiro, comercializando grande volume de droga. A ministra disse ainda que as instâncias ordinárias são soberanas na análise dos fatos e das provas sobre o envolvimento com o Comando Vermelho.

O mérito ainda será julgado pela 5ª Turma, com relatoria do ministro Reynaldo Soares da Fonseca. A decisão da ministra ainda não foi publicada. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.

HC 406.104




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 27 de julho de 2017, 15h04

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 04/08/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.