Consultor Jurídico

Criminalização da advocacia

IDDD critica argumento usado na prisão de ex-presidente da OAB-MT

O argumento usado para prender o ex-presidente da seccional mato-grossense da Ordem dos Advogados do Brasil Francisco Faiad foi novamente criticado por entidades da classe. Dessa vez o repúdio partiu do Instituto de Defesa do Direito de Defesa, para quem é uma “inadmissível violação da ampla defesa” alegar que advogados têm conhecimento de fatos que poderão ser manipulados para atrapalhar a instrução criminal.

Durante sua gestão na OAB-MT, Faiad chegou a receber determinação da Justiça para que deixasse o cargo, mas conseguiu liminar na segunda instância.
Reprodução

A prisão de Faiad foi decretada pela juíza Selma Rosane Santos Arruda, da 7ª Vara Criminal de Cuiabá. O ex-presidente da OAB-MT foi preso preventivamente na manhã do dia 14 deste mês pela Polícia Civil na operação sodoma, que investiga fraudes à licitação, desvio de dinheiro público e pagamento de propinas.

“Especificamente no caso presente, [Faiad] poderá dificultar as investigações, utilizando-se de suas prerrogativas de advogado, inclusive para obter acesso em autos sigilosos, dados estes que um investigado qualquer jamais obteria", escreveu a juíza na decisão.

Segundo o IDDD, o argumento usado pela juíza está descolado da realidade, pois a prerrogativa do advogado para acessar os autos serve apenas para garantir que o réu saiba detalhadamente sobre quais acusações responde. “Vê-se, pois, que, ao fim e ao cabo, o que a Juíza pretende é impedir que os próprios acusados tenham acesso a dados sigilosos do processo, revelando total desprezo pelo direito de defesa, o que é, repita-se, inadmissível num Estado Democrático de Direito.”

Crítica anterior
No último dia 18/2, o Conselho Federal da OAB e a seccional da Ordem em MT também criticaram duramente o posicionamento da magistrada. "Ao decretar prisão preventiva sob o argumento de que 'advogados criminalistas têm conhecimento de fatos que poderão ser manipulados para atrapalhar a instrução criminal', a magistrada demonstra contrariedade à ordem jurídica sob a qual se ergueu a própria Constituição Federal', dizem as entidades em nota conjunta.

Leia a nota do IDDD:

Independentemente de qualquer apuração de responsabilidade do advogado supostamente envolvido em fatos criminosos, o Instituto de Defesa do Direito de Defesa – IDDD repudia veementemente os fundamentos da decretação da prisão do advogado e ex-presidente da OAB/MT, Francisco Faiad, pela Juíza Selma Rosane Santos Arruda, da 7ª Vara Criminal de Cuiabá: “Especificamente no caso presente, [Faiad] poderá dificultar as investigações, utilizando-se de suas prerrogativas de advogado, inclusive para obter acesso em autos sigilosos, dados estes que um investigado qualquer jamais obteria".

Trata-se de inadmissível violação ao direito de defesa, pois ao contrário do que afirma a Juíza, a prerrogativa do advogado de acesso aos autos, neles incluídos todos os dados, por mais sigilosos que sejam, serve, única e exclusivamente para garantir que o réu saiba quais elementos de prova eventualmente existem contra si, a fim de que deles possa se defender. Vê-se, pois, que, ao fim e ao cabo, o que a Juíza pretende é impedir que os próprios acusados tenham acesso a dados sigilosos do processo, revelando total desprezo pelo direito de defesa, o que é, repita-se, inadmissível num Estado Democrático de Direito."

São Paulo, 21 de fevereiro de 2017.
Fábio Tofic Simantob
Diretor Presidente




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 21 de fevereiro de 2017, 15h58

Comentários de leitores

1 comentário

IDDD

O IDEÓLOGO (Cartorário)

O IDDD sempre parcial. Contra a sociedade, porém a favor dos ilícitos.

Comentários encerrados em 01/03/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.