Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Farsa da neutralidade

Ofensas no Enem extrapolam liberdade de expressão e violam direitos humanos

Liberdade de expressão não é um direito absoluto. Dessa forma, não pode ser usada como pretexto para acobertar manifestações preconceituosas ou que incitem a violência e a intolerância.

Com esse entendimento, o Tribunal Regional Federal da 1ª Região negou pedido de liminar da Associação Escola Sem Partido contra critério de correção das redações do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). A entidade ajuizou ação questionando regra que prevê a atribuição de nota zero a textos que desrespeitam os direitos humanos.

No processo em que pediu para que a regra não fosse aplicada no Enem 2016 e nas próximas edições da seleção, a Escola Sem Partido alegou que a norma afrontaria garantias constitucionais como livre manifestação do pensamento, liberdade de consciência e pluralismo de ideias, entre outras.

No entanto, a Advocacia-Geral da União apontou que, apesar de ser considerado um direito fundamental, a liberdade de manifestação é limitada pela ordem jurídica, não podendo ser utilizada para proteger manifestações preconceituosas ou que incitem a violência e a intolerância.

“Toda e qualquer manifestação de opinião que venha, direta ou indiretamente, a promover preconceito, discriminação, marginalização, estigmatização ou exclusão se coloca em colisão com o princípio do respeito à dignidade humana e, portanto, passa a ser considerada um ato abusivo, infundado, ilegítimo e, em si mesmo, uma violação dos direitos humanos”, apontaram os advogados da União.

Os procuradores federais acrescentaram, ainda, que as diretrizes da educação nacional prestigiam o “uso de concepções e práticas educativas fundadas nos direitos humanos e em seus processos de promoção, proteção, defesa e aplicação na vida cotidiana e cidadã de sujeitos de direitos e responsabilidades individuais e coletivas”.

O pedido de liminar contra o critério de correção foi rejeitado pelo TRF-1, que analisou recurso da Escola Sem Partido contra decisão de primeira instância que já havia negado o pleito.

"Aparelho excretor"
No entanto, o Tribunal de Justiça de São Paulo derrubou, na quinta-feira (2/2), sentença que havia condenado o presidente do PRTB, Levy Fidelix, e o próprio partido a pagar indenização de R$ 1 milhão por declarações polêmicas sobre homossexuais durante a disputa eleitoral de 2014. Por unanimidade, a 4ª Câmara de Direito Privado entendeu que as falas exibidas pela TV são protegidas pela liberdade de expressão.

A ação civil pública foi movida pela Defensoria Pública com base em debate na Rede Record entre presidenciáveis. A então candidata Luciana Genro (Psol) perguntou a Levy por que não aceitar como família casais formados por pessoas do mesmo sexo. Ele respondeu que “aparelho excretor não reproduz” e defendeu a necessidade de que a maioria “enfrente” essa minoria. Com informações da Assessoria de Imprensa da AGU.

Agravo de Instrumento 72805-24.2016.4.01.0000

Revista Consultor Jurídico, 6 de fevereiro de 2017, 14h37

Comentários de leitores

5 comentários

Manipulados ao invés de questionadores

Pé de Pano (Funcionário público)

Efeito do enganador da educação in memoriam Paulo Freire, autor do sócio-construtivismo tribufu!
O emburrecer das massas é a garantia da esquerdopatia no poder!

Que pérola

Thiago Bandeira (Funcionário público)

“Toda e qualquer manifestação de opinião que venha, direta ou indiretamente, a promover preconceito, discriminação, marginalização, estigmatização ou exclusão se coloca em colisão com o princípio do respeito à dignidade humana e, portanto, passa a ser considerada um ato abusivo, infundado, ilegítimo e, em si mesmo, uma violação dos direitos humanos”

Se uma pessoa discordar (direta ou indiretamente, pasmem) de cotas esta sendo preconceituoso, discriminando?
Se entender que o islam não é uma "religião de paz", esta marginalizando, estigmatizando?
Se for contra aborto, casamento gay, porte de arma, etc...

São estes os tabus da pós-modernidade?

Brasil - um país que progride, mas não melhora.

Leopoldo Luz (Advogado Autônomo - Civil)

Pessoalmente, não me filio aos 57% dos brasileiros (G1 - 02/11/2016) que declaram que "bandido bom é bandido morto", assim como não me convencem notícias que santificam bandidos(as) recém-mortos(as).
Agora, o Estado punir opiniões em redações que sequer são publicadas, isso sim que é violação a direito humano, o da liberdade de expressão (CF, art. 5º, IX).
Não é à toa que cursos de redação em 2º grau adestram seus alunos a escrever tão somente aquilo que os corretores querem ler, completando o círculo vicioso que massifica o pensar.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 14/02/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.