Consultor Jurídico

Punição genérica

Para MPF, portaria que restringe visita íntima em presídios federais é ineficaz

A portaria do Ministério da Justiça que restringe as visitas íntimas em presídios federais fere o direito da população carcerária à manutenção dos laços afetivos e à reinserção social, segundo o Ministério Público Federal. Em parecer sobre o assunto encaminhado ao Superior Tribunal de Justiça, o órgão sustenta ainda que a punição não deve ser genérica ou coletiva, motivada pela simples dúvida ou suspeita de subversão à ordem e à disciplina.

O direito à visita social foi suspenso pelo Departamento Penitenciário, com base na Portaria 718/2017, do Ministério da Justiça, sendo permitido apenas o contato físico íntimo aos presos que usufruem os benefícios da delação premiada, mediante comprovada colaboração com as investigações, ou que não tenham praticado as condutas descritas no artigo 1º.

A portaria foi publicada no Diário Oficial da União em 30 de agosto. Mesmo nos casos permitidos, a visita íntima poderá ser suspensa se o detento cometer falta grave, se seu cônjuge causar problema ou se oferecer risco para a segurança e disciplina.

Para justificar a medida, o Ministério da Justiça afirma que a visita íntima tem sido usada como meio para troca de informações entre presos e familiares, servindo de ferramenta de coordenação para beneficiar organizações criminosas. Além disso, a pasta sustenta que a Portaria 1.190/2008, que regulamentou as visitas íntimas, mostrou-se incapaz de impedir que presos perigosos continuem exercendo de dentro do cárcere suas lideranças em organizações criminosas.

O subprocurador-geral da República Brasilino Pereira dos Santos alertou que a visita íntima é um direito previsto na Lei de Execuções Penais, o qual, de acordo com a Resolução 1/1999, do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária, “não deve ser proibido ou suspenso a título de sanção disciplinar, excetuados os casos em que a infração disciplinar estiver relacionada com o seu exercício”.

Brasilino Pereira dos Santos argumentou ainda que a restrição apenas pode ser aplicada depois da instauração de procedimento específico destinado à apuração de falta disciplinar, assegurado o direito de defesa, consoante à regra prevista no artigo 59 da Lei de Execuções Penais. Ou seja, não cabe punição genérica.

Em resposta à justificativa do Sistema Penitenciário, o MPF afirmou ainda que esse direito foi suspenso sem que ao menos fosse especificada a necessidade de tal medida em relação a cada um dos sentenciados submetidos à custódia em presídio federal, todos atingidos de forma individual por ela.

Além disso, a permuta de informações entre presos, parentes e amigos, durante as visitas e saídas temporárias ou trabalhos externos, é fato comum em qualquer presídio. E as informações às vezes são utilizadas até mesmo por órgãos de inteligência da segurança pública, para desarticular organizações criminosas e frustrar a prática de crimes que estejam sendo planejados. Com informações da Assessoria de Imprensa do MPF.

Portaria MJ 718




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 28 de dezembro de 2017, 10h25

Comentários de leitores

2 comentários

LEP não prevê a abusiva visita íntima

daniel (Outros - Administrativa)

e países da Europa, nem os Estados Unidos não concedem direito de visita íntima. Mas, a esquerda os presídios devem ser motéis estatais. !!!

realidade

paulo alberto (Administrador)

Porque o mpf nao comparece numa unidade prisional em dia visita, em media numa Unidade Prisional, em via de regra, triplica o numero de pessoas que estão dentro da unidade.

Comentários encerrados em 05/01/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.