Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Participação ocasional

Justiça concede liberdade a Roberta Funaro, irmã do doleiro Lúcio Funaro

Por entender que a participação de Roberta Funaro em esquema de corrupção foi meramente ocasional, o juiz Ricardo Leite, da 10ª Vara Federal em Brasília, acatou pedido da defesa e concedeu liberdade à irmã do doleiro Lúcio Funaro nesta segunda-feira (11/12).

Funaro está preso desde julho de 2016 por suspeitas de desvios em fundo de investimento da Caixa Econômica Federal e é apontado pela Polícia Federal como operador dos esquemas de corrupção do PMDB, no âmbito da operação “lava jato”. 

Já Roberta havia sido presa em maio deste ano na operação patmos, após ter sido flagrada em vídeo recebendo uma bolsa com R$ 400 mil do executivo da J&F Ricardo Saud, também preso na “lava jato”. Com a decisão, ela está liberada de usar tornozeleira eletrônica e de cumprir prisão domiciliar, conforme havia sido determinado em junho pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal.

Segundo o juiz Ricardo Leite, há indícios que permitem concluir que Roberta não sabia que o dinheiro recebido tinha origem ilícita. “Todos os depoimentos indicam que a participação de Roberta foi meramente ocasional e, em razão da situação experimentada por Lúcio Funaro, razão pela qual não vislumbro qualquer probabilidade de continuidade ou prosseguimento de atividades ilícitas eventualmente praticadas por Lúcio (já que firmou acordo de colaboração premiada e em data próxima será liberado) e muito menos por Roberta.”

No despacho, Leite também diz que levou em consideração a situação de parentesco colateral entre Roberta e Lúcio, bem como as consequências familiares da prisão de Funaro, para julgar o pedido da defesa.

“Neste momento, há maior interface entre familiares, já que há forte abalo na estrutura familiar. Nada mais natural de que sua irmã tenha auxiliado na condução dos negócios que, aparentemente, possuíam lastro de normalidade ou ao menos uma causa justificante”, afirmou. Com informações da Agência Brasil.

Revista Consultor Jurídico, 12 de dezembro de 2017, 11h53

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 20/12/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.