Consultor Jurídico

"Lava jato"

Cândido Vaccarezza é preso acusado de receber US$ 500 mil em propina

Acusado de receber cerca de US$ 500 mil em propina, o ex-líder dos governos Lula e Dilma na Câmara dos Deputados Cândido Vaccarezza, que deixou o PT e agora é filiado ao PTdoB, foi preso temporariamente nesta sexta-feira (18/8) durante mais uma fase da operação "lava jato", que investiga um esquema de corrupção na Petrobras.

Cândido Vaccarezza é acusado de receber US$ 500 mil em propina.

De acordo com o Ministério Público Federal, provas colhidas durante as fases anteriores da "lava jato", apontam que Vaccarezza utilizou a influência decorrente do cargo em favor da contratação da Sargeant Marine pela Petrobras, que firmou doze contratos para fornecimento de asfalto entre 2010 e 2013, no valor de aproximadamente US$ 180 milhões.

A investigação desses contratos teve início com a delação premiada de Paulo Roberto Costa, ex-diretor de Abastecimento da petrolífera. As evidências, segundo os investigadores, indicam que cerca de U$ 500 mil pagos em propina ao Partido dos Trabalhadores, foram destinados a Vaccarezza.

Segundo o Ministério Público Federal, o próprio Paulo Roberto Costa e outros dois gerentes também teriam recebido pagamento de vantagens indevidas. Além da prisão de Vaccarezza, a Justiça Federal federal também decretou a prisão temporária de outros dois gerentes da Petrobras e de um representante da Sargeant Marine no Brasil.

Contratos facilitados
Também nesta sexta-feira acontece simultaneamente outra fase da operação "lava jato". Nela, o foco é a contratação de armadores gregos para o fretamento de navios, tendo como contrapartida o pagamento de vantagens indevidas aos envolvidos.

Assim como na outra fase, a investigação teve início com a delação premiada de Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobras. Com base nas provas colhidas, os investigadores concluíram que Costa ajustou com o cônsul honorário da Grécia no Brasil, Konstantinos Kotronakis, um esquema de facilitação de contratação de navios gregos, mediante o fornecimento de informações privilegiadas e o pagamento de propinas.

De acordo com os investigadores, entre 2008 e 2010 o esquema era efetivado por meio do operador Henry Hoyer de Carvalho, que chegou a ser preso em maio de 2015, mas depois foi solto após um Habeas Corpus. A partir de 2010, segundo o MPF, o esquema era efetivado por uma empresa pertencente a Georgios Kotronakis, filho de Konstantinos.

Cinco empresas ligadas a Kotronakis, de acordo com o MPF, foram contratadas pela Petrobras entre 2009 a 2013. Os investigadores afirmam que o valor desses contratos superam US$ 500 milhões e, ao menos 2% desses valores era destinado ao pagamento de propina. Com informações da Assessoria de Imprensa do MPF.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 18 de agosto de 2017, 9h08

Comentários de leitores

1 comentário

Constatação

Professor Edson (Professor)

Não fica preso uma semana, alguém do supremo solta.

Comentários encerrados em 26/08/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.