Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Tipos de pressão

Marcelo Odebrecht foi coagido a delatar e falou por vingança, diz Dilma

De acordo com a ex-presidente Dilma Rousseff, as acusações que Marcelo Odebrecht fez a ela e ao seu governo foram motivadas por vingança e por ele ter sido coagido a assinar um acordo de delação premiada na operação “lava jato”. Em entrevista à jornalista Mônica Bergamo, colunista da Folha de S.Paulo, Dilma diz que nunca teve proximidade com Marcelo Odebrecht e que nunca tratou de doação de campanha com ele. “Esse rapaz jamais ousaria conversar comigo sobre doação.”

Em entrevista a jornal, Dilma disse que Marcelo Odebrecht “sofreu muitos tipos de pressão” e se viu forçado a “falar sobre coisas ilícitas da minha campanha”.
Reprodução

Na entrevista, Dilma afirma que Marcelo “sofreu muitos tipos de pressão” e se viu forçado a “falar sobre coisas ilícitas da minha campanha”. Mas ela também diz que nunca confiou nele e, por isso, sempre se manteve distante.

A ex-presidente conta que a relação azedou em 2007, quando ela era ministra-chefe da Casa Civil e supervisionava grandes projetos de infraestrutura. Especialmente as construções das usinas hidrelétricas do Rio Madeira, Santo Antônio e Jirau.

Na época, Dilma recebeu a denúncia de que havia um cartel em formação para inflar o valor do contrato. O combinado era que o lance mínimo seria de R$ 130 o lote. “Isso foi imediatamente resolvido”, disse a ex-presidente. E o lance vencedor, da Odebrecht, foi de R$ 78,87. “Faça as contas e veja a diferença da margem de lucro. Ele nunca deve ter me perdoado.”

Dilma nega qualquer irregularidade em sua campanha em relação à Odebrecht. Ela diz que a empreiteira doou R$ 29 milhões à campanha de 2014, “8% do total que arrecadamos”. Mas Marcelo diz que repassou R$ 150 milhões por meio de caixa dois, numa conta no exterior.

“Para se passar por grande doador, ele fala dessa conta. Em determinado momento de seu depoimento, diz: ‘É uma conta corrente que só eu tinha na cabeça’. Ou seja, era uma conta da subjetividade dele”, responde Dilma. “É uma conversa estapafúrdia, esdrúxula, uma sandice desse rapaz.”

Revista Consultor Jurídico, 4 de abril de 2017, 18h22

Comentários de leitores

2 comentários

Como lhe convém

AlexXP (Outros)

Mas a parte da delação, em que o Odebrecht diz ter doado também para Aécio, ela considerou válida.
Vá ser hipócrita assim!

Lexotan com cicuta , batido no liquidificador , patetica !

hammer eduardo (Consultor)

Com o fechamento do Juquiri em São Paulo e da Colonia Juliano Moreira aqui no Rio de Janeiro , esta difícil definir um local para enviar esta criatura aparentemente ( Eu disse APARENTEMENTE!) do sexo feminino para que possa tratar de seus evidentes e indisfarçáveis transtornos psiquiátricos cada vez mais graves pelo visto.
Pior foi a legião de BEOCIOS que depositou votos para eleger este poste de quinta categoria que não poderia servir nem de gerente na Casa da Eny la em Bauru , certamente se na porta ficasse espantaria a distinta clientela !

Apenas por acaso recebi no dia de hoje uma serie de fotos que não posso aqui incluir em que a "engarrafadora de vento" aparece toda serelepeem variados eventos junto com o "desconhecido" ( por ela...) Marcelo Odebrecht , atualmente hospede de primeira linha do Moro Hilton la em Curitiba.

Se a nossa justiça????? não fosse a verdadeira piada do papagaio manco que tão bem conhecemos , esta criatura arrogante e repugnante , já estaria por certo junto do apedeuta 9 dedos hospedada TAMBEM no Moro Hilton.
Graças ao quadrilheiro de toga no STF , conseguiu escapar de perder os direitos políticos no ano passado mas existe uma possibilidade bem concreta do Nobre Ministro Hermann Benjamim corrigir em breve esta imundície que foi uma escarrada na cara dos Brasileiros e do que sobrou de nossa desmoralizada Justiça.
Alem de assustadora que nem a fome , também é de uma arrogância "nunca dantiz" vista no Brasil.
Pobre lupanar verde e amarelo........

Comentários encerrados em 12/04/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.