Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Escalação de peso

Crítico do punitivismo, Zaffaroni é convidado a defender Lula na ONU

Por 

Um dos mais conhecidos defensores das liberdades individuais, o argentino Eugenio Raúl Zaffaroni, que integrou a Suprema Corte da Argentina, foi convidado para integrar a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na Organização das Nações Unidas (ONU). Se aceitar o convite, ele irá atuar na ação em que Lula questiona a parcialidade do juiz federal Sergio Moro.

Por enquanto, representam Lula Cristiano Zanin Martins, Roberto Teixeira e o inglês Geoffrey Robertson. O convite foi feito no mesmo dia em que a ONU aceitou a denúncia apresentada por Lula contra Moro. Agora, o governo brasileiro terá, agora, dois meses para apresentar seus argumentos.

Da esquerda para a direita: Pablo Gutierrez, professor de Direito argentino, os advogados Valeska Teixeira Zanin, Cristiano Zanin Martins e Zaffaroni.
Reprodução

De perfil legalista, Zaffaroni é visto como uma antítese de justiceiros. Em relação a delações premiadas, por exemplo, o ministro aposentado classifica o criminoso que colabora com a Justiça em troca de benefícios de psicopata. “Não respeita sequer as regras da ética mafiosa para negociar a sua impunidade”, disse em entrevista à ConJur, em novembro de 2015.

Sobre as garantias constitucionais, Zaffaroni ressalta que a observância às normas pode até fazer com que um ou outro criminoso fique impune, mas que o caminho oposto pode destruir toda uma investigação. Disse ainda que a quebra dos diretos e das regras “cria e reforça a suspeita de que houve manobra política”.

O jurista também criticou o modelo de prisão preventiva — frequentemente usado por Sergio Moro. “Na Argentina, o Processo Penal permite detenções preventivas longas e possibilitando uma pena antecipada. A maioria dos presos está nessa situação. Não são condenados. Nesse sentido, acho que perdeu legitimidade.”

Questionado sobre juízes com perfil justiceiro e midiático, Zaffaroni explicou que esses julgadores não são loucos, mas sim neuróticos. “São atraídos pela possibilidade de fama, de entrar para a política, fazer discursos.”

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 26 de outubro de 2016, 20h40

Comentários de leitores

31 comentários

Dr. MTB

Francisco Lobo da Costa Ruiz - advocacia criminal (Advogado Autônomo - Criminal)

Que falta faz o MTB ...

MTB

Francisco Lobo da Costa Ruiz - advocacia criminal (Advogado Autônomo - Criminal)

Que falta faz o MTB ...

Mas já aceitou a causa ?

Francisco Lobo da Costa Ruiz - advocacia criminal (Advogado Autônomo - Criminal)

Não entendo porque tanto agito, uma vez que título e texto mostram que o lente argentino foi "apenas convidado". Por que tanta celeuma, cenas teatrais, mumunhas e mimimis a propósito desse senhor Lulla.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 03/11/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.