Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Revenge Porn

Ex-namorado que divulgou vídeo íntimo é condenado por difamação

Como a legislação brasileira ainda não possui tipificação específica para a divulgação de material erótico sem o consentimento de uma das partes — pratica conhecida como vingança pornográfica ou revenge porn —, casos como esse devem ser enquadrados nos crimes de calúnia e difamação.

O entendimento é da juíza Marixa Rodrigues, 16ª Vara Criminal de Belo Horizonte para condenar o réu V.S.F. a indenizar sua ex-namorada em 50 salários mínimos, que serão calculados apenas na fase de execução da pena. O casal namorou entre 2008 e 2012. Quando terminaram, V.S.F. ameaçou a autora da ação, representada por Leonardo Coelho do Amaral, do Ronald Amaral Advogados Associados, afirmando que divulgaria imagens dela nua se ela não reatasse o namoro ou se relacionasse com outra pessoa.

Dollar Photo Club

A publicação do material começou em dezembro de 2013, por meio dos aplicativo de mensagens WhatsApp e de fotos Instagram. Em sua defesa, V.S.F. argumentou que não ameaçou a autora da ação. Disse ainda que não houve violência de gênero, doméstica ou familiar para que o caso fosse julgado por uma vara criminal. Também afirmou que não foram apresentadas provas que confirmem sua culpa no caso.

No depoimento, ele alegou que não poderia ter cometido o crime julgado, pois deletou todo o material envolvendo a autora da ação quando o namoro acabou. Porém, o juiz do caso percebeu uma contradições do réu nos depoimentos, pois, antes de falar que havia deletado todo o material, V.S.F. disse que guardava o material em seu computador.

Depois, ele chegou a afirmar que tinha vendido o equipamento a um dos porteiros de seu prédio, e por não ter deletado o material, as fotos e os vídeos foram divulgados indevidamente. “As contradições apresentadas nos interrogatórios do réu decorre de um só motivo, ele não consegue explicar o inexplicável. Tentou por todos os meios negar a autoria da divulgação das fotos e vídeos íntimos, através de desculpas contraditórias muito pouco convincentes.”

“Certamente, achando pouco o estrago que já havia feito, dez dias depois, o querelado divulgou novas fotos e dois vídeos da vítima em cenas de sexo, conforme por ele relatado no seu interrogatório em juízo, embora negue a autoria”, complementou a juíza. A julgadora também afirmou que os atos praticados por V.S.F foram de “extrema frieza e covardia”, pois, ele voltou a publicar as imagens e os vídeos no dia em que os pais da vítima comemoravam bodas de prata.

“Além de atingir gravemente a honra da vítima, com a exposição da intimidade desta, devastou a vida dos seus pais que com ela sofreram a cruel e covarde exposição”, criticou a julgadora. Ao condenar o réu, a juíza ainda lamentou que não poderia enquadrá-lo no crime específico praticado, pois, “lamentavelmente, no Brasil ainda não existe o tipo penal específico de pornografia de vingança”.

Revista Consultor Jurídico, 10 de julho de 2016, 7h43

Comentários de leitores

3 comentários

Vingança pornográfica

Palpiteiro da web (Investigador)

O crime cometido tem que ser reprimido com toda força da lei, pois a publicação de vídeos, fotos eróticas terão efeito de destruir a reputação, a moral, vida social e dignidade da pessoa. Podemos até afirmar que o material publicado nas redes sociais tem mais poder que uma arma que tira a vida de uma pessoa, porque esta situação pode desencadear diversas outras situações perigosíssimas, e, no entanto, estas
ações são punidas com penas baixas que incentivam o cometimento deste tipo de ato.

A amenésia judicial

wilhmann (Advogado Assalariado - Criminal)

Já experimentamos todo sorte ( será azar..?) por parte do Estado-força, onde suas regras bestializadas em parlamentos toscos e aplicadas por membro do judiciário com conduta midiática tornam cada mais vez mais impropria a vida, a liberdade numa republiqueta tipo brasil. Lutamos incessantemente para que o estandarte do devido processo legal viesse e torna-se uma regra. Agora, eclodem decisões como esta desconectada do direito penal ao criar um novo estado nazista a pretexto de punir sem fundamento. Ora, Nullum crimen, nulla poena sine praevia lege. Esse apótema é desconhecido pelo juiz, parcial?

Piada do domingo

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Responsabilização penal por analogia. Preciso dizer mais alguma coisa?

Comentários encerrados em 18/07/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.