Consultor Jurídico

Estado em crise

Juízes do Rio arrecadam R$ 60 mil para doar a servidores com salários atrasados

Magistrados do Rio de Janeiro criaram uma campanha de doações para os servidores públicos da Justiça estadual que ainda não receberam o pagamento de novembro e o 13º salário. Desde 23 de dezembro, foram arrecadados mais de R$ 60 mil. O dinheiro foi convertido em 1.136 cestas básicas, distribuídas para o Sind-Justiça (sindicato dos funcionários) e a Polícia Militar.

Responsável pela iniciativa, a desembargadora Regina Lúcia Passos (24ª Câmara Cível) afirma que a “situação é crítica” e convida a classe a continuar ajudando. “Nos tornamos catalisadores. Pedimos a todos que contribuam com qualquer valor. Muitas pessoas ainda precisam das cestas”.

As contribuições devem ser feitas para a conta bancária da Associação Beneficente dos Amigos do TJ — Bradesco (237), agência 6246-4, conta poupança 3000-7, CNPJ 02.789.534/0001-74. Para a identificação do donativo, o valor depositado deve terminar com 13 centavos, como, por exemplo R$ 100,13.

Acordo homologado
Recentemente, a 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal referendou o acordo firmado entre o estado do Rio de Janeiro e o Tribunal de Justiça local (TJ-RJ) a fim de garantir o pagamento de servidores e magistrados.

Como resultado do acordo, o ministro Dias Toffoli autorizou o TJ-RJ a utilizar, excepcionalmente, o fundo especial do TJ para o pagamento da folha de pagamento de novembro de 2016 e do 13º salário deste ano. O valor deverá ser restituído pelo governo do estado em 12 parcelas ao longo de 2017. Também ficam suspensas as ordens judiciais restritivas sobre as contas do estado. A decisão do relator foi referendada por unanimidade.

Disputa pelo cofre
No início do mês de setembro, o juiz Leonardo Grandmasson Ferreira Chaves, da 8ª Vara de Fazenda Pública do Rio, determinou o arresto de mais de R$ 471,7 milhões das contas da administração estadual para garantir o pagamento dos servidores que ainda não tiveram seus salários do mês de agosto depositados. 

Porém, no dia 25 de novembro, o ministro Dias Toffoli suspendeu os arrestos dos cofres do Rio. Com isso, paralisou o andamento de todos os processos e execuções em curso contra o Tesouro fluminense ou as autarquias estaduais para pagamento de salários a servidores e magistrados do Poder Judiciário estadual.

A crise financeira do Rio de Janeiro chegou ao seu ápice quando o governador Francisco Dornelles publicou, em junho, decreto declarando estado de calamidade pública. A medida forçou a União fazer um aporte de R$ 2,9 bilhões no estado e deu ao poder público o direito de tomar diversas medidas para manter a saúde dos cofres públicos.

Entre as razões citadas para a decisão à época estão a Olimpíada, a queda na arrecadação com o ICMS e os royalties do petróleo e problemas na prestação de serviços essenciais, como segurança pública, saúde, educação e mobilidade. O Supremo chegou a decidir que o governo estadual estava obrigado a repassar aos poderes Legislativo e Judiciário, ao Ministério Público e à Defensoria Pública, até o dia 20 de cada mês, os recursos destinados por lei a esses órgãos. Com informações da Assessoria de Imprensa da Amaerj.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 28 de dezembro de 2016, 19h00

Comentários de leitores

12 comentários

Iludido advogado autonomo

Iludido (Advogado Autônomo - Civil)

Se houvesse distribuição de renda injusta, ainda assim não seria como se encontra o seu brasil. Nem precisaria tributar as grandes rendas. As grandes fortunas que podem até serem honestas. É preciso ser pobre para entender a pobreza que na teoria tão diferente da prática, não deixa dúvidas. Você acha que o pessoal do governo gosta de você? Continue iludido pois assim, você continuará acreditando. Mas lembre-se a tributação é uma forma de distribuição de renda e no seu brasil o sistema é horizontal. Pelo menos nisso, o tributarista diz que a lei é igual para todos, pouco importando os meios.

Será que as cestas foram entregues por garcons ou copeiros?

DPF Falcão - apos (Delegado de Polícia Federal)

No mesmo TJ, em que milhares de magistrados conseguiram arrecadar 60 mil reais (15 auxílios moradia), se contratou, neste mês, serviços de copeiragem e garcons por cerca de QUATORZE MILHÕES para atender a esses mesmos magistrados.
Esse mesmo estado que não está pagando o aluguel social (450,00/mês) para as vítimas de catástrofes, é obrigado a arcar com as despesas de auxílio moradia a magistrados e nembros do MP, no valor unitário de 4.377,00/mês, ainda que residam em imóveis próprios, e nos grandes centros.
E VIVA A CARIDADE... do povo!

Esmola [2]

Thiago Com (Jornalista)

Oi? Um TJRJ c quase 1mil juízes arrecadou p seus serviçais, ops.. quis dizer seus servidores esse "montante' de 60mil reais??? Eh sério q divulgaram isso?! Rssss...
Salvo engano, esse eh um dos Tjs mais caros do Brasil, onde penduricalhos foram criados a leva... Adi ja tem contra no STF, mas ta tudo sob a análise do min FUX, cujo TJRJ tem mt apreço, tanto eh q escolheu a 'dedo' sua pupila Fux ( c apenas 35 anos de idade) p ser Desembargadora do famigerado Tribunal carioca! Obs:. Tem juiz de carreira q leva quase 30 anos p subir p 2 instância.
Eita, Brasil 'esquematizado' da peste! Kkkk

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 05/01/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.