Consultor Jurídico

Falta grave

STJ mantém demissão de carcereiro que soltou presos em penitenciária fluminense

O Superior Tribunal de Justiça não pode reavaliar provas em recurso em mandado de segurança. Com esse entendimento, a 2ª Turma do Superior Tribunal de Justiça ratificou, por unanimidade, decisão colegiada do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, mantendo a demissão de um inspetor de segurança e administração penitenciária que trabalhava na Cadeia Pública de Romeiro Neto, no município de Magé (RJ).

O inspetor foi punido com demissão após um processo administrativo disciplinar concluir que sua conduta, considerada permissiva para com os detentos, teria contribuído para a ocorrência de uma rebelião no estabelecimento prisional.

O carcereiro recorreu à Justiça para anular o processo administrativo disciplinar, pedindo sua reintegração aos quadros da Secretaria de Administração Penitenciária do Estado do Rio de Janeiro e recebimento de salários atrasados.

Defesa do inspetor
Em sua defesa, o inspetor alegou que a aplicação da penalidade de demissão teria violado os princípios da proporcionalidade e da razoabilidade, já que a conduta praticada (permitir a circulação de detentos) teria sido eventual e não configuraria “desídia” (negligência).

Defendeu ainda que diversos outros fatos teriam contribuído para a rebelião dos detentos, que terminou, no entanto, “sem qualquer fuga ou grande prejuízo considerável ao patrimônio público”.

O TJ-RJ considerou grave a conduta do inspetor e manteve a pena aplicada pela administração pública estadual. Inconformado, ele recorreu ao STJ com mandado de segurança, que foi analisado pela 2ª Turma.

O relator do caso, ministro Humberto Martins, sublinhou que o decreto de demissão, publicado no Diário Oficial do Estado do Rio de Janeiro em 2013, indica que o inspetor não foi punido com demissão apenas por “desídia”, mas também por cometer diversas outras faltas funcionais.

Ao confirmar a decisão do TJ-RJ, Humberto Martins salientou que a revisão das provas para analisar a alegação de que o agente não teria cometido outras faltas funcionais “esbarraria na modificação do acervo fático e probatório, o que é vedado pelo rito estrito e célere da via mandamental (mandado de segurança)”. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.

RMS 46.158

Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 20 de abril de 2016, 16h34

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 28/04/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.