Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Núcleo familiar

Cármen Lúcia reconhece adoção, sem restrição de idade, por casal gay

Por 

Considerando a decisão do Supremo Tribunal Federal que reconheceu a união homoafetiva como um núcleo familiar como qualquer outro, a ministra do STF Cármen Lúcia manteve decisão que autorizou um casal gay a adotar uma criança, independentemente da idade.

O caso chegou ao Supremo Tribunal Federal após o Ministério Público do Paraná questionar o pedido de adoção feito pelo casal em 2006. O MP-PR queria limitar a adoção a uma criança com 12 anos ou mais, para que esta pudesse opinar sobre o pedido.

A Justiça do Paraná negou o pedido do Ministério Público. De acordo com o acórdão do Tribunal de Justiça estadual, se as uniões homoafetivas já são reconhecidas como entidade familiar, não há razão para limitar a adoção, criando obstáculos onde a lei não prevê.

"Delimitar o sexo e a idade da criança a ser adotada por casal homoafetivo é transformar a sublime relação de filiação, sem  vínculos biológicos, em ato de caridade provido de obrigações sociais e totalmente desprovido de amor e comprometimento”, registrou o TJ-PR no acórdão.

Inconformado, o MP-PR recorreu aos tribunais superiores. No Superior Tribunal de Justiça o recurso foi negado pelo ministro Villas Bôas Cueva, em decisão monocrática. Segundo o ministro, o Ministério Público deixou de indicar, com clareza e objetividade, os dispositivos de lei federal que teriam sido violados pela corte paranaense.

Recurso ao Supremo
No Supremo Tribunal Federal o Ministério Público alegou que a decisão contraria o artigo 226, parágrafo 3ª da Constituição Federal, que diz que para efeito da proteção do Estado, é reconhecida a união estável entre o homem e a mulher como entidade familiar.

Ministra Cármen Lúcia negou recurso que pretendia anular adoção por casal gay.

"A nível constitucional, pelo que foi dito, infere-se, em primeiro lugar, que não há lacuna, mas sim, uma intencional omissão do constituinte em não eleger (o que perdura até a atualidade) a união de pessoas do mesmo sexo como caracterizadores de entidade familiar", alegou o MP-PR no recurso ao Supremo.

Porém, a ministra Cármen Lúcia não deu razão ao recorrente, negando seguimento ao Recurso Extraordinário. Para a ministra, o acórdão recorrido está em harmonia com a Jurisprudência do Supremo Tribunal Federal. Em sua decisão, a ministra citou o julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade 4.277 e a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental 132.

As duas ações foram julgadas em conjunto em maio de 2011. Na ocasião, por votação unânime, o Supremo Tribunal Federal deu interpretação conforme ao artigo 1.723 do Código Civil, “para dele excluir qualquer significado que impeça o reconhecimento da união contínua, pública e duradoura entre pessoas do mesmo sexo como entidade familiar, entendida esta como sinônimo perfeito de família. Reconhecimento que é de ser feito segundo as mesmas regras e com as mesmas consequências da união estável heteroafetiva”.

Em sua decisão, Cármen Lúcia cita trecho do voto do ministro Carlos Ayres Britto, relator do julgamento ocorrido em maio de 2011, que disse o seguinte: "Sem nenhuma ginástica mental ou alquimia interpretativa, dá para compreender que a nossa Magna Carta não emprestou ao substantivo “família” nenhum significado ortodoxo ou da própria técnica jurídica. Recolheu-o com o sentido coloquial praticamente aberto que sempre portou como realidade do mundo do ser."

Clique aqui para ler a decisão da ministra Cármen Lúcia.
RE 846.102

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 20 de março de 2015, 12h43

Comentários de leitores

9 comentários

Coisa velha...

Ed Gonçalves (Bacharel)

Mas o MP não tem mais nada de relevante a fazer? Essa matéria está há 4 anos pacificada no STF.

De outro lado, dá tristeza ler comentários do naipe daquele postado por Luiz Pereira Neto - OAB.RJ 37.843. Para alguém saído diretamente da idade média ao século XXI, deve ser realmente dificílima a adaptação.

Despautério?

Hally Palmeira (Funcionário público)

Prezado Luiz Pereira Neto,

Você como advogado vir falar que os adotados serão induzidos a serem o que o adotantes quiserem que sejam, isso sim é uma abominável deturpação, um despautério!
Para a justiça, as considerações sobre família podem ser múltiplas, entretanto um mote comum é que a união dos componentes de uma família, com ou sem vínculos consanguíneos, se dá a partir da intimidade, do respeito recíproco, da afeição, da troca e do desenvolvimento conjunto.

É melhor

Neli (Procurador do Município)

É melhor a criança ter dois pais ou duas mães do que nenhum.Família, com todo respeito, não é só homem e mulher. Família pode ser dois homens, duas mulheres, (amantes ou não). Dois irmãos, sem pais, vivendo juntos ou não ...Na adoção o que se deve preservar é o interesse do menor:onde ele será bem tratado:com dois pais ou num orfanato? Onde ele será bem tratado:tendo duas mães ou vivendo nas ruas?Tem que preservar é o interesse da criança.É melhor ser adotada do que viver na rua da amargura.O importante é a criança ser bem tratada,amar e ser amada. E a criança ser educada.Parabéns, Ministra!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 28/03/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.