Consultor Jurídico

Âmbito "lava jato"

Defesa do ex-deputado André Vargas entra com pedido de liberdade no STF

A defesa do ex-deputado federal André Vargas pediu que o Supremo Tribunal Federal o libere da prisão preventiva. A alegação é que ele não oferece perigo às investigações, que tratam de fatos ocorridos em 2013. Outro ponto destacado pelos advogados é que não há risco de influência política nas apurações, já que o político se desfiliou do PT em abril de 2014 e perdeu o mandato em dezembro do mesmo ano.

O pedido foi feito em  Habeas Corpus, distribuído por prevenção ao ministro Teori Zavascki, relator de todos os casos relacionados à "lava jato" no Supremo. Vargas está preso desde abril deste ano devido aos desdobramentos da operação “lava jato”. Os advogados pedem a revogação da prisão, e alternativamente, a aplicação de medidas cautelares previstas no artigo 319 do Código de Processo Penal.

Segundo a defesa, a prisão preventiva não se justifica porque os fatos investigados teriam ocorrido até 2013 e não há risco de influência política nas apurações, pois o político se desfiliou do Partido dos Trabalhadores em abril de 2014 e perdeu o mandato em dezembro do mesmo ano. Alega, ainda, que até o momento não há relação concreta entre os fatos imputados a André Vargas e as irregularidades apuradas na operação. Atualmente, Vargas responde a duas ações penais – uma sobre desvios envolvendo a agência de publicidade BorghiLowe e outra sobre aquisição de imóvel com recursos supostamente obtidos desses desvios.

Os advogados afirmam que os argumentos do juízo da 13ª Vara Federal de Curitiba para decretar a prisão preventiva, posteriormente confirmada pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região e pela 5ª Turma do Superior Tribunal de Justiça, são “ilegais, inidôneos, fundados em receios não comprovados e vazios de supedâneo probatório”. A defesa avalia que houve violação ao princípio de liberdade e de presunção de inocência previstos na Constituição Federal, além de confronto com entendimentos do próprio STF.

“Nem a investigação por suposto crime de corrupção ou lavagem de dinheiro, nem a dimensão pública que o caso tomou podem levar à conclusão automática de que é pertinente a prisão cautelar”, diz o HC. Os advogados criticam ainda a associação da gravidade dos supostos crimes com a condição de parlamentar, distinção que não é feita pela legislação brasileira. “Se o próprio tipo penal não diferencia agentes públicos ou privados, não cabe ao julgador se valer de circunstância não prevista em lei para pautar a medida extrema e tratar de forma diferenciada cidadãos na mesma situação”. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

HC 132.295




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 22 de dezembro de 2015, 16h12

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 30/12/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.