Consultor Jurídico

Habeas Corpus

Réu pede ao STF para esperar vaga no semiaberto em liberdade

Um comerciante condenado a quatro meses e dois dias de prisão em regime semiaberto por exploração de jogos de azar apresentou Habeas Corpus ao Supremo Tribunal Federal por conta da falta de estabelecimento para o cumprimento da medida em Santo André (SP). No recurso, que inclui pedido de liminar para que possa aguardar o julgamento final do HC em liberdade ou em regime aberto, a defesa afirma que o mandado de prisão já foi expedido e que o comerciante será encaminhado ao regime fechado em caso de prisão.

De acordo com a petição inicial do caso, que será relatado pelo ministro Roberto Barroso, há constrangimento ilegal “iminente e manifesto”, uma vez que o condenado seria mantido em estabelecimento distinto do adequado. O pedido para que o réu cumpra a pena em regime aberto já foi feito à Vara Criminal de Santo André, ao Tribunal de Justiça de São Paulo e ao Superior Tribunal de Justiça, sendo rejeitado nas três instâncias.

A defesa também pede a flexibilização, neste caso, da Súmula 691 do STF, segundo a qual  “não compete ao Supremo Tribunal Federal conhecer de Habeas Corpus impetrado contra decisão do relator que, em Habeas Corpus requerido a tribunal superior, indefere a liminar”. A flexibilização ocorreria porque, em caso idêntico, o STF já teria confirmado a possibilidade da concessão de liminar em HC impetrado contra decisão monocrática de ministro do STJ, em caso que envolvia a regressão de regime por falta de vagas em estabelecimento adequado ao cumprimento do semiaberto.

O precedente citado foi o HC 84.078, julgado em Plenário, no qual os ministros decidiram que “ofende o princípio da não culpabilidade a execução da pena privativa de liberdade antes do trânsito em julgado da sentença condenatória, ressalvada a hipótese de prisão cautelar do réu, desde que presentes os requisitos autorizadores previstos no artigo 312 do Código de Processo Penal”. Além da concessão de liminar para que o comerciante aguarde o julgamento do HC em liberdade, a defesa pede que a análise do mérito termine com a concessão da ordem para que o réu aguarde em regime aberto, na modalidade albergue domiciliar, o surgimento de vaga no semiaberto. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

Habeas Corpus 121.060




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 28 de janeiro de 2014, 10h27

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 05/02/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.