Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Desaparecido em UPP

Inquérito conclui que Amarildo foi torturado por PMs

O delegado Rivaldo Barbosa, titular da Divisão de Homicídios da Polícia Civil do Rio de Janeiro, disse nesta quarta-feira (2/10) que o ajudande de pedreiro Amarildo de Souza foi torturado por policiais militares da Unidade de Polícia Pacificadora da Rocinha. A informação consta do inquérito encaminhado para o Ministério Público sobre o desaparecimento de Amarildo. Ele foi levado para a sede da UPP no dia 14 de julho e nunca mais foi visto. As informações são do portal Terra e do jornal Folha de S.Paulo.

O inquérito indicia dez policiais da UPP, entre eles o ex-comandante da unidade, major Edson dos Santos. Eles vão responder pelos crimes de tortura seguida de morte e ocultação de cadáver. Encarregado do caso, o promotor de Justiça Homero de Freitas disse que oferecerá a denúncia nos próximos dias.

No inquérito foram colhidos mais de 50 depoimentos. Segundo Barbosa, uma das hipóteses é que Amarildo tenha sido torturado pela polícia em um matagal próximo à UPP. Três pessoas foram incluídas no programa de proteção à testemunha. Nenhum PM confessou o crime.

Revista Consultor Jurídico, 2 de outubro de 2013, 22h35

Comentários de leitores

2 comentários

cade a novidade se estava na cara desde o inicio ?

hammer eduardo (Consultor)

Graças a Imprensa o caso Amarildo ganhou a atual repercussão apesar de que todo mundo tem consciencia de que diariamente somem ou são executados varios "Amarildos". A policia militar do Rio de Janeiro é literalmente um caso de policia pois não conseguem sair dos noticiarios , sempre do lado em que NÃO deveriam estar , são despreparados , corruptos em sua maioria , violentos e corporativistas. Mesmo com o rodizio anual em que varios são expulsos , via de regra o processo demora demais e saem da PM para montar o modelo padrão de "PM business" que são as igualmente perigosas milicias. O poder publico no Rio inexiste pois o prefeito é um capacho repugnante de um governador destruido politicamente e apenas contando os minutos que faltam para sair em Dezembro e deixar aquele abestado do pezão como seu sucessor. Como sempre se lacaiou da maneira mais sordida possivel perante dilmão , deverá ser "agraciado" com um desses "ministerios estacionamento" em que apoiadores incondicionais são premiados com acessos a "outras" formas de maracutaias. Atualmente vemos a PM batendo em "perigosissimos" Professores ( algo que a maioria certamente nem sabe o que é , vide sua formação social)em compensação tratam com deferencia as variadas formas de contravençaõ por toda a Cidade , é quase IMPOSSIVEL quando se desbarata qualquer quadrilha de qualquer coisa não existir em seu cerne um ou mais PMs , basta ler o noticiario. Esse caso Amarildo ja podia estar resolvido a seculos se tivessem prendido e interrogado TODOS os envolvidos porem perdeu-se tempo tentando jogar para a plateia com o nefando "rigoroso inquerito" que nunca vai a lugar nenhum. Tirando o festejado BOPE , podiam acabar com o resto sem nenhum remorso , ninguem ia sentir falta com certeza.

É repugnante

BCG (Advogado Sócio de Escritório - Tributária)

Essa situação é uma vergonha para sociedade brasileira e um vexame para o país internacionalmente. É inadmissível que nos tempos atuais se torture um cidadão, mesmo se ele tenha cometido algum delito.
Evidente que esse cidadão não teve seus direitos e garantias constitucionais respeitados, pois, os policiais "justiceiros", "simplificaram" o trabalho da justiça, realizaram o inquérito, fizeram o papel de promotor, advogado e juiz proferindo a sentença in loco - Pena de Morte.
É repugnante!

Comentários encerrados em 10/10/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.