Consultor Jurídico

Crime de Estado

OEA reconhece assassinato de Vladimir Herzog

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), da Organização dos Estados Americanos (OEA), reconheceu oficialmente como assassinato a morte do jornalista Vladimir Herzog. Ele morreu em 1975, depois de ser torturado, nas dependências do Destacamento de Operações de Informações — Centro de Operações de Defesa Interna (Doi-Codi), do Exército, durante o regime militar.

O caso foi apresentado à CIDH pela organização de direitos humanos Centro pela Justiça e pelo Direito Internacional (Cejil, na sigla em inglês) em 2009. Ao lado da organização estavam a Fundação Interamericana de Defesa dos Direitos Humanos (FIDDH), o Grupo Tortura Nunca Mais de São Paulo e o Centro Sandro Dias de Direitos Humanos da Arquidiocese de São Paulo.

De acordo com a diretora do Cejil, Viviana Krsticevic, a aceitação do caso pela OEA significa que não há mais empecilhos para se estudar e decidir a responsabilidade do Estado sobre a morte de Herzog. Também quer dizer que a OEA rejeitou os argumentos do governo, que tentava impedir as investigações.

Viviana explica que, com a aceitação pela OEA da tese do assassinato, foi determinado que o Estado brasileiro tem obrigação de "aprofundar a busca da justiça e a verdade jurídica sobre o caso Herzog". "A OEA determinou que deve haver punição e que a interpretação da Lei da Anistia atual pelo Judiciário brasileiro tem que mudar para permitir que sejam feitas investigações no âmbito criminal para estabelecer as responsabilidades pelas torturas, pelos desaparecimentos forçados e assassinatos cometidos na ditadura", diz a diretora.

Ivo Herzog, filho do jornalista, disse que a existência de um processo internacional para apurar o caso de seu pai mostra que é "possível fazer justiça". Ele afirma que o importante não é punir os responsáveis, mas sim apurar a responsabilidade. "Se os responsáveis não podem ser presos porque já estão velhos, isso não impede que a sociedade saiba quem foram essas pessoas e façam uma condenação moral", argumenta.

Para Ivo, a demora do Estado em admitir culpa é uma "tortura psicológica". Ele conta que há a possibilidade de que novo atestado de óbito de seu pai seja entregue à família na próxima sexta-feira (25/1). A autorização para a expedição de um novo atestado com a causa real da morte do jornalista já foi autorizada pela Justiça. Com informações da Agência Brasil.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 22 de janeiro de 2013, 19h26

Comentários de leitores

1 comentário

Crimes contra a Humanidade

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Até quando o Estado brasileiro apoiará oficialmente bandidos autores de crimes hediondos, com a total conivência do povo?

Comentários encerrados em 30/01/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.