Consultor Jurídico

Despreparo no atendimento

Grupo médico é condenado por deixar paciente impotente

Uma empresa médica especializada em saúde sexual masculina foi condenada a pagar R$ 250 mil de indenização por danos morais a um paciente que ficou impotente após tratamento para disfunção erétil. A decisão foi proferida pela juíza da 6ª Vara Cível de Brasília. Ainda cabe recurso.  

Nas primeiras 24 horas após o tratamento, o homem sentiu dores, apresentou início de hemorragia e ereção contínua. Ligou, então, para a clínica, que o orientou colocar gelo em sua púbis e aguardar 48 horas. Mesmo seguindo a orientação, seu estado piorou, e ele retornou à clínica. No atendimento, a hemorragia piorou, e uma inflamação atingiu seu pênis e a região escrotal.

O paciente teve de ser encaminhado para o Hospital Base, onde ficou internado durante meses. O episódio culminou com a cirurgia para o implante de uma prótese peniana, que não logrou êxito. A defesa do autor apontou erro médico e serviço defeituoso, pois, em vez de solucionar a disfunção erétil do homem, tornou-lhe total e definitivamente impotente.

Já a empresa contestou o fato, afirmando que o autor foi devidamente examinado e submetido à aplicação de medicamento reconhecido pela medicina; que foi adequadamente instruído pelo médico e não tomou as devidas cautelas; que não foi garantida a cura para o problema de disfunção erétil; que foi informada a possibilidade de eventuais efeitos colaterais e que prestou todo o auxílio necessário. Por fim, nega ter praticado qualquer conduta equivocada no tratamento.

A juíza responsável pelo caso não aceitou os argumentos da empresa e afirmou como gravíssima a postura do grupo médico na não resolução do problema e em relação ao despreparo no atendimento. Com informações da Assessoria de Imprensa do Tribunal de Justiça do Distrito Federal.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 16 de janeiro de 2013, 17h16

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 24/01/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.