Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Secretário de Mangaratiba

Juíza determina sequestro dos bens de delegado

A Justiça do Rio de Janeiro determinou o sequestro dos bens e a perda da função pública do delegado de polícia Otavio Seiler, atual secretário municipal de Segurança de Mangaratiba, na Região dos Lagos do Rio. Ele, sua esposa, Marisa de Souza Seiler, e seus dois filhos foram acusados de terem acumulado patrimônio incompatível com os seus rendimentos. A ação foi proposta pelo Ministério Público e pelo Estado do Rio de Janeiro. Cabe recurso da decisão.

A juíza Simone Lopes da Costa, da 10ª Vara da Fazenda Pública do Rio, julgou procedente o pedido em relação ao delegado e à sua esposa e, por falta de provas, rejeitou o pedido contra Marcelo, de 44 anos, e Alexandre de Souza Seiler, de 39, filhos do casal.

Otávio e Marisa também foram condenados a pagar multa correspondente a três vezes o valor do acréscimo patrimonial ilicitamente ocorrido a partir de 3 de junho de 1992. Laudo pericial contábil comprovou a variação dos bens e inúmeros depósitos em dinheiro.

“Forçosa a conclusão que, apesar dos diversos documentos acostados aos autos, o primeiro e a segunda ré não foram capazes de comprovar a origem de todo o patrimônio que sustentam, ou seja, o aumento patrimonial foi superior ao total de rendimentos declarados, restando caracterizado o acréscimo patrimonial a descoberto”, afirmou a juíza.

Na lista de bens da família constam diversos carros, contas bancárias e imóveis em Teresópolis, Saquarema e nos bairros de Jacarepaguá, Irajá, Madureira, dentre outros. “Na verdade, existiram depósitos bancários sem origem comprovada a partir de 1991. Não restam dúvidas acerca disso, diante dos extratos bancários acostados aos autos da ação principal”, disse a juíza.

O policial também foi denunciado pela Procuradoria Geral de Justiça por envolvimento na chamada “lista do jogo do bicho”, em maio de 1994. Otávio Seiler ingressou no serviço público estadual em 1962, no cargo de detetive-inspetor, chegando através de promoção à classe de 1ª categoria no cargo de delegado de Polícia a partir de outubro de 1991. Consta nos autor que, em dezembro de 1991, a família constituiu a sociedade civil O.M.M.A.T. – Consultoria, Planejamento, Execução e Zeladoria Patrimonial Ltda, que seria utilizada para mascarar a percepção de rendimentos ilegais.  Com informações da Assessoria de Imprensa do TJ-RJ

Processos 0041464-12.1994.8.19.0001 e 1994.001.027683-1

Revista Consultor Jurídico, 12 de setembro de 2012, 7h10

Comentários de leitores

1 comentário

Parabéns à Juíza!

Ética e Justiça (Outros)

Parabéns à Juíza que proferiu a decisão pela coragem em lidar com esse bando de criminosos que se vale de cargo público para enriquecer de forma abjeta.
São ações corajosas como esta que vão aos poucos fazendo a gente acreditar que é possível viver em um País melhor!

Comentários encerrados em 20/09/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.