Consultor Jurídico

Foro comum

Aposentadoria desloca processo contra juiz para 1º grau

Quando um juiz deixa de exercer o cargo, seu foro especial por prerrogativa não se mantém e eventuais processos a que ele responda devem ser enviados à primeira instância. O entendimento é da 5ª Turma do Superior Tribunal de Justiça, que concedeu Habeas Corpus a uma juíza do Mato Grosso do Sul, aposentada compulsoriamente, que responde a processo penal por falsidade ideológica. A decisão suspende ação penal que corria em segunda instância.  

O ministro relator do caso, Jorge Mussi, interpretou a questão de acordo com o que decidiu o Supremo Tribunal Federal na Ação Direita de Inconstitucionalidade 2.797, sobre o tema. “A prerrogativa de foro é concedida a determinados indivíduos não por critérios pessoais, mas única e simplesmente por estarem ocupando, em determinado momento, certos cargos ou funções públicas que merecem especial proteção”, ponderou.

A denúncia que deu origem à ação penal contra a juíza Margarida Elisabeth Weiler foi dirigida também contra o advogado Eduardo Garcia da Silveira Neto. Ambos são defendidos pelo criminalista Alberto Zacharias Toron. Enquanto atuava como magistrada, a juíza teria enviado ao Tribunal de Justiça do Mato Grosso do Sul lista de advogados destinados a atuar como juízes leigos em uma cidade do interior do estado, Anaurilândia. De acordo com a denúncia, na lista constava o nome do companheiro da juíza, mas o casal teria declarado não possuir nenhum parentesco entre si.

Por se tratar de juíza, a denúncia foi recebida pelo órgão especial do TJ-MS. No entanto, a juíza foi aposentada compulsoriamente em processo administrativo durante o curso da ação penal.

O Ministério Público solicitou, então, que os autos fossem enviados à primeira instância, por ter ocorrido incompetência superveniente do tribunal local. O entendimento era que a prerrogativa de foro deveria ser interrompida, uma vez que a magistrada não exercia mais a função.

Essa declaração de incompetência foi afastada pelo desembargador relator da ação penal, que se filiou à tese de que, ainda que a aposentadoria da magistrada tivesse sido determinada compulsoriamente pelo órgão competente — como foi o caso —, tanto a vitaliciedade quanto a prerrogativa especial do foro permaneciam válidas.

Para ele, a prerrogativa de função se trataria de foro diferenciado em razão do cargo ocupado. Não seria questão, portanto, de privilégio. Insatisfeita com a decisão, a defesa da juíza alegou constrangimento ilegal, argumentando que o foro por prerrogativa de função deixou de existir quando ela foi aposentada.

Seu advogado enfatizou que o Supremo Tribunal Federal reconheceu a inconstitucionalidade dos parágrafos 1º e 2º do artigo 84 do Código de Processo Penal, que determinava a continuidade do foro privilegiado, mesmo após o término do exercício da função. Com isso, ela conseguiu, liminarmente, que a ação penal fosse suspensa até o julgamento final do Habeas Corpus no STJ. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.

HC 224.973




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 21 de maio de 2012, 20h50

Comentários de leitores

2 comentários

Bom advogado

Pek Cop (Outros)

Sem duvidas que o advogado fez a grande diferença, uma juíza mal fadada deveria ser julgada pela justiça comum.

Acho que sabemos quem é a juíza

Alexandre (Advogado Assalariado)

Será que tem alguma coisa a ver com essa matéria?
http://www.conjur.com.br/2010-out-04/empresario-luiz-eduardo-bottura-acumula-239-condenacoes-ma-fe

Comentários encerrados em 29/05/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.