Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Direito de criar

Homossexuais podem adotar criança de qualquer idade

Por 

Independentemente da idade que tenham, crianças podem ser adotadas por casais homoafetivos. Esse foi o entendimento do ministro Villas Bôas Cueva, do Superior Tribunal de Justiça, ao negar o recurso do Ministério Público do Paraná contra decisão da Justiça local que considerou juridicamente possível a adoção. A decisão do ministro se deve a razões processuais.

Um casal de homens se candidatou na 2ª Vara da Infância e da Juventude de Curitiba à adoção de uma criança. Foram feitas a entrevista inicial e a sindicância-moral-econômica a respeito dos interessados. O casal foi considerado apto à adoção. O MP, baseado no princípio do melhor interesse, pediu o deferimento do pedido de habilitação, com resssalva no sentido de que os requerentes sejam cadastrados como aptos a adotar uma criança com 12 anos ou mais, a fim de que o adolescente adotado possa manifestar seu consentimento com o pedido.

A juíza Maria Lúcia de Paula Espíndola, da 2ª Vara da Infância e da Juventude de Curitiba, julgou que o pedido de inscrição para adoção formulado pelo casal estava correto e não havia necessidade de ressalvas, com fundamento no artigo 50, parágrafos 1º e 2º do Estatuto da Criança e do Adolescente.

Para a juíza, com base na documentação apresentada pelos requerentes e do resultado contido no relatório feito, evidencia-se que o casal vive em cumplicidade e respeito, com boa saúde física e mental, estando aptos a cuidar de uma criança ou adolescente. “Os requerentes vivem em união homoafetiva, ou seja, duas pessoas do sexo masculino que estabeleceram uma união estável há 12 anos, cuja inscrição é juridicamente cabível”, afirmou.

Maia Lúcia de Paula Espíndola ainda ressaltou que “não há nenhum dispositivo na lei que impeça uma pessoa de formar uma família, principalmente com relação à adoção, por sua escolha sexual, até porque essa escolha é livre, não podendo em nenhuma hipótese classificar as pessoas em melhores ou piores. O homossexual tem o direito de adotar um menor, salvo se não preencher os requisitos estabelecidos em lei. Se um homossexual não pudesse adotar uma criança, o princípio da igualdade perante a lei, básico, estaria violado”.

O MP recorreu ao TJ-PR, que considerou que o argumento de que deveria ser estabelecida uma idade mínima de 12 anos para o adotando em caso de adoção por casal homoafetivo não encontra o mínimo suporte legal, já que não existe ordenamento jurídico sobre o assunto. O TJ-PR concluiu ainda ser inadmissível a limitação quanto ao sexo ou à idade das crianças em razão da orientação sexual dos candidatos a pais.

“O juiz que estabelecesse uma idade mínima da criança a ser adotada, só porque os adotantes seriam pessoas do mesmo sexo, estaria infringindo a própria Constituição republicana, pois estaria criando norma sem o devido e legal suporte”, afirmou o tribunal estadual. O MP recorreu então ao STJ.

O ministro Villas Bôas Cueva, ao julgar o recurso especial, em decisão monocrática, afirmou que o Ministério Público deixou de indicar, com clareza e objetividade, os dispositivos de lei federal que teriam sido violados pelo TJ-PR. “Limitou-se a expressar seu inconformismo com o julgado, redigindo o especial como se apelação fosse”, afirmou o ministro.

Villas Bôas Cueva ressaltou ainda que a decisão do tribunal estadual possui fundamentação exclusivamente constitucional no ponto atacado pela argumentação do recurso especial — fixação de idade mínima.

“Observa-se que a parte recorrente não impugnou os fundamentos constitucionais de forma adequada, ou seja, deixou de interpor recurso extraordinário, circunstância que atrai o óbice da Súmula 126 do STJ”, concluiu Cueva.

A súmula diz que, se a decisão de segunda instância se apoia em fundamentos legais e constitucionais, qualquer um deles suficiente para mantê-la, e a parte não interpõe recurso extraordinário para o Supremo Tribunal Federal, o recurso especial não pode ser admitido.

Clique aqui para ler a decisão completa. 

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 13 de junho de 2012, 13h24

Comentários de leitores

4 comentários

Sim, que belo exemplo!

Rubia_ral (Funcionário público)

Antes uma criança com dois pais ou duas mães, do que sem ninguém, num orfanato sem familia!
É preciso deixar o preconceito de lado e se por no lugar de uma criança que teria muita possibilidade de crescer sem ninguém!

A questão vista apenas por um ângulo

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

Não se questiona legalmente o direito de homossexuais adotarem uma criança.É lamentável,mas é a lei. O que se deveria indagar é o 'direito e a vontade' da criança (em especial daquela que ainda não tem idade para externá-la), de ter como família dois pais ou duas mães. Criança não é um objeto que servirá tão somente para preencher as carências e desejos de uma família anômala;é um ser que merece respeito tanto física como psicologicamente em especial para poder opinar sobre essa situação atípica que estará diretamente ligada a ela, por toda a vida e que,certamente, muito em breve lhe poderá causar sérios danos a personalidade,quer pela sociedade tradicional,em decadência mas ainda existente, quer pelos próprios coleguinhas,fruto dessa mesma sociedade tradicional,já num primeiro momento da vida, na escola.

Esquisito...

Mig77 (Publicitário)

Este não é um espaço para coisas estranhas mas dizem que aconteceu...Um pai homossexual tomava banho pela primeira vez com seu filho adotivo quando o menino falou:Nossa pai...que pinto grande vc tem !!!O pai respondeu:
Hiii filho, vc ainda não viu o da sua mãe..
Pensei cá...Ahh!!!não...isso é muito estranho...

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 21/06/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.