Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Juízo de admissibilidade

Acusado que alegou excesso de linguagem não consegue HC

A linguagem utilizada pelo Tribunal do Júri ao pronunciar acusado não gera constrangimento ilegal. O entendimento fundamentou decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal, Celso de Mello, que negou liminar em Habeas Corpus requerida por um homem acusado de homicídio qualificado. Ele alegou que sofreu constrangimento ilegal devido a suposto excesso de linguagem na decisão de pronúncia.

O ministro destacou que o TJ-PA reconheceu que há provas demonstrando ao menos indícios de autoria por parte do denunciado e entendendeu que aquele tribunal “não teria se excedido na prolação do juízo de admissibilidade da acusação penal deduzida contra o ora paciente [acusado]”. Os advogados do acusado sustentam que o tribunal paraense foi muito além do que deveria e usou termos que podem influenciar o júri.

De acordo com o ministro Celso de Mello, ao pronunciar o acusado, o magistrado deve indicar as razões pelas quais se convenceu da existência material do crime e de indícios de que o réu seja o autor. No entanto, a jurisprudência consolidada do STF prevê que o juiz “não poderá enunciar um juízo de certeza quanto à prática, pelo réu, do crime que lhe foi atribuído pelo Ministério Público”. Segundo o ministro, esse papel cabe ao Conselho de Sentença que, nos casos de crimes dolosos contra a vida, é o juiz natural daqueles que são submetidos ao julgamento pelo Júri. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

HC 113.091

Revista Consultor Jurídico, 13 de julho de 2012, 15h55

Comentários de leitores

1 comentário

Oh Estimado Ouvinte

Gilberto Strapazon - Escritor. Analista de Sistemas. (Consultor)

Isto me lembra um comentário de tempos atrás que houve aqui, infelizmente não lembro qual foi o artigo.
Mas parece mais um caso em que alguém não gostou de ser chamado pelas palavras que se referem ao caso.
Os Exmos Srs Juizes, segundo assim entendem algumas "pessoas que tenham praticado grave atividade ilícita prevista pela lei" (bandidos), deverão ser citados respeitosamente considerado sua "forma-politicamente correta de legítimo direito a honra e e idoneidade pessoal" (cara de pau). Sendo isto observado questiona-se que toda e qualquer admoestação ou reprimenda deverá no máximo, ser como a compassiva compreensão de uma avó doce e zelosa (passar a mão em cima) e não como uma mãe ou pai atentos (puxão de orelha). Visto o excesso de zelo que acabam tentando impor aos que buscam uma vida correta e justa, logo deverão ser removidos do dicionário e proibido o uso de palavras como "ladrão", "salafrário", "vigarista", "assassino", etc. Em bom português: protetores (sócios) dos direitos humanos (em favor) de bandidos continuam cada vez mais em alta enquanto o direito das vítimas, vai indo para as masmorras.

Comentários encerrados em 21/07/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.