Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Desvio ético

Advogado suspenso terá de restituir cliente

Por 

Em julgamento no dia 10 de dezembro, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região manteve sentença que reconheceu como correta a punição imposta pela Ordem dos Advogados do Brasil catarinense a um associado que infringiu os incisos XX (locupletar-se às custas de cliente) e XXV (conduta incompatível com a advocacia) do artigo 34 do Estatuto da Advocacia e da OAB.

Além da suspensão por 30 dias, ele ainda foi condenado a devolver parte dos honorários recebidos numa demanda Previdenciária. Extrajudicialmente, a punição já havia sido confirmada pelo Conselho Pleno da OAB e, ainda, pelo Conselho Federal da Ordem.

O Processo Disciplinar instituído pela OAB-SC comprovou que o profissional cobrou da sua cliente honorários além do que foi combinado, fazendo-a crer que seu processo ainda não havia sido julgado pela Justiça Federal.

Em decisão monocrática, a desembargadora federal Maria Lúcia Luz Leiria, considerando o ‘‘quadro fático-probatório’’, disse que as razões elencadas processo disciplinar administrativo se coadunam com as razões de Direito. Logo, a decisão é legítima.

‘‘Ademais, além da representação ora objurgada, já tramitavam junto à OAB várias outras motivadas por fatos análogos, evidenciando que a prática era bem mais comum do que pretende fazer crer o autor’’, complementou a desembargadora, que jurisdiciona na 3ª Turma do TRF-4.

O caso
O advogado ingressou com ação na 1ª Federal de Florianópolis para pedir a declaração de improcedência da Representação número 996/2006, com a consequente anulação de todos os atos e registros. O processo administrativo resultou na suspensão de suas atividades profissionais por 30 dias e na obrigatoriedade de restituir o valor indevidamente retido de sua cliente.

Em sua defesa, garantiu não ter adotado qualquer comportamento incompatível com o Código de Ética ou maculado o exercício da advocacia. Houve, segundo ele, mero erro da funcionária do departamento financeiro do escritório, que enviou equivocadamente uma cobrança referente a honorários, quando o valor devido pela cliente dizia respeito ao ressarcimento de despesas de viagem empreendida de Lages/SC a Porto Alegre/RS.

O juiz federal substituto Gustavo Dias de Barcellos derrubou a pretensão do autor, ressaltando que este teve direito à ampla defesa no Tribunal de Ética e Disciplina e que esgotou todas as instâncias recursais na fase administrativa.

Clique aqui para ler o acórdão.
Clique aqui para ler a sentença.
Clique aqui para ler o Estatuto da OAB. 

 é correspondente da revista Consultor Jurídico no Rio Grande do Sul.

Revista Consultor Jurídico, 19 de dezembro de 2012, 8h19

Comentários de leitores

2 comentários

Punição para advogado

Irani de Souza Araujo Leal Ferreira (Advogado Autônomo)

Foi com acerto a punição ao caro colega advogado.
Assim, podemos cada vez mais, ficarmos atentos aos bons e honestos princípios éticos e morais.
Todos os que cometem erros indevidos contra os clientes, devem ser punidos.
Irani de souza araújo leal ferreira - advogada em brasília - df.

Duas conclusões

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Se os fatos forem verdadeiros, creio que se pode extrair duas conclusões:
.
a) agiu com acerto o Tribunal de Ética da Ordem, ao punir o Advogado que cobrou equivocadamente valor a maior de sua cliente;
.
b) existe no Brasil prática constante e reiterada do crime de prevaricação por parte de membros do Ministério Público e delegados de polícia, PROCONs e Banco Central, ao não adotarem as medidas previstas em lei quando os bancos brasileiros praticam conduta assemelhada à do Advogado que restou punido, cobrando "equivocadamente" de seus cliente valores que não são devidos, e os fazendo acreditar ainda que os débitos em conta são lícitos.

Comentários encerrados em 27/12/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.