Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Investimentos do governo

Gasto público aumenta em ano eleitoral, diz Ipea

Os gastos das administrações públicas sobem bastante em anos eleitorais e despencam nos anos imediatamente posteriores. Essas oscilações são ainda maiores nos municípios, que, além das eleições presidenciais, para governador e para os cargos representativos, também passam pelas eleições para prefeito e vereadores. A conclusão é de pesquisa feita pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). 

O Ipea mostra as cifras. Em 1998, ano da reeleição de Fernando Henrique Cardoso, o gasto público chegou a 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), e no ano seguinte caiu para 1,5%. Em 2002, ano que Lula ganhou as eleições presidenciais, a taxa anual foi de 2,2%. Em 2003, novamente, caiu para 1,5%.

Em tempos de crise internacional, a entidade já começa a mostrar sinais de preocupação. “Os gastos aumentam no último ano, e a nova administração encontra contas estouradas, o que exige corte de gastos e de investimentos”, comentou  Claudio Hamilton, um dos coordenadores da pesquisa.

Nesta quinta-feira (29/12), o Ipea divulgou o Comunicado 126, um relatório preliminar de estudo sobre a evolução do gasto público entre os anos de 1995 e 2011. A taxa de investimento da Administração Pública deve ficar em 2,5% do PIB do Brasil este ano. Segundo o comunicado, o país registrou o menor índice de investimento público em 2003, primeiro ano do governo Lula com 1,5% do PIB, e chegou à maior cifra (2,9%) em 2010, o último ano de Lula. No ano passado, o gasto público chegou a R$ 49,5 bilhões. Com informações da Assessoria de Imprensa do Ipea.

Revista Consultor Jurídico, 29 de dezembro de 2011, 19h51

Comentários de leitores

1 comentário

Óbvio Ululante

Gilberto Strapazon - Escritor. Analista de Sistemas. (Consultor)

O pessoal do IPEA que me desculpe, mas a pesquisa demonstra o que a maioria ampla da população sabe sem precisar gastar com pesquisa: em ano eleitoral os governantes pisam no acelerador da máquina pública para mostrar serviço e favorecer seus candidatos. Passou a eleição, não precisa mais. Sobre contas estouradas, com algumas raríssimas excessões (deve existir, mas pessoalmente nunca vi) é de praxe que o novo governo diga que encontrou as contas estouradas e por isto nã vai poder fazer tudo que pensou mas que vão fazer novos projetos que dependem deste, daquele e daquele outro e blá-blá-blá, como se entrassem na eleição sem ter o menor conhecimento da gestão pública.

Comentários encerrados em 06/01/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.