Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Crime organizado

OAB-RJ condena atos de vandalismo e defende punição

Diante da grave situação de violência por que passa o Rio de Janeiro, o presidente da OAB do Rio de Janeiro divulgou nesta quarta-feira (24/11) Nota Oficial onde afirma que “os atos de vandalismo são inaceitáveis numa sociedade civilizada e devem ser reprimidos e os seus responsáveis punidos de forma severa, em conformidade com a lei”.

Segundo Wadih Damous, “os atos de violência com que nos deparamos nos últimos dias não devem justificar um retrocesso na atual política de segurança, assentada em modelo de polícia comunitária e cidadã, da qual as UPPs são parte fundamental”.  Com informações da Assessoria de Imprensa da OAB-RJ.

Leia a Nota Oficial
Os atos de vandalismo são inaceitáveis numa sociedade civilizada. Devem ser reprimidos e os seus responsáveis,  punidos de forma severa, em conformidade com a lei.

Os dirigentes da área de segurança pública do Estado do Rio de Janeiro — em particular o secretário de Segurança — têm demonstrado seriedade e espírito público e contam com a solidariedade e o voto de confiança da OAB/RJ neste momento difícil.

A possibilidade de um pedido de ajuda federal, com a mobilização da Força Nacional, não deve ser descartada. A utilização desse recurso, porém, deve ficar a critério das autoridades responsáveis pela segurança pública.

Os atos de violência com que nos deparamos nos últimos dias não devem justificar um retrocesso na atual política de segurança, assentada em modelo de polícia comunitária e cidadã, da qual as UPPs são parte fundamental. O retorno à política de extermínio, que fazia de cada comunidade carente uma praça de guerra, inevitavelmente trará como consequência mais violência e mais mortes de inocentes.

Por fim, conclamamos a população a que mantenha a calma e evite multiplicar e dar ouvidos a boatos que só contribuem para trazer mais intranquilidade e insegurança. E exatamente o que esses criminosos desejam.

Revista Consultor Jurídico, 25 de novembro de 2010, 0h42

Comentários de leitores

1 comentário

TAMBEM QUEREMOS, PARA OS VERDADEIROS AUTORES

Luiz Pereira Carlos (Técnico de Informática)

Ao contrario do que dizem na imprensa, a minha visão é outra, não consigo ver bandidos pura e simplesmente, o que vejo são pessoas semi-analfabetas oriundas das classes mais baixas da sociedade na maioria das vezes, oprimidos, esquecidos e revoltados, agindo de maneira criminosa. Porem, a exemplo do ESTADO NÃO MENOS CRIMINOSO, opressor, culto, preparado e monetariamente abastado, violento, sanguinário, assassino contumaz, insensível e hediondo.
*
Querer acabar com a violência imprimindo mais violência, é não respeitar os DIREITOS HUMANOS, é não respeitar a vida do próximo. Vão gastar bilhões pra trazer uma segurança federal, pra fazer uma festa olímpica, enquanto permeia a fome e a miséria EXTREMA na nação.
*
A solução pra diminuir o crime é a mesma usada nas sociedades aculturadas, nos países onde homens públicos respeitam seus semelhantes, se envergonham até mesmo de uma simples gafe, e pede pra sair.
*
Na verdade é o Estado que esta TRAMANDO O TERROR contra a população para manter impunemente o FURTO & DESVIO DA COISA PUBLICA, DO ERARIO, DAS DECISÕES JUDICIAIS COMPRADAS E VENDIDAS, DAS LICITAÇÕES FRAUDADAS, etc.
*
O Estado é o TERROR PERSONIFICADO, é o criminoso hediondo e cruel, não respeita as famílias nem mesmo dos seus comandados, pro Estado tanto faz morrer um policial quanto dez, contanto que esses estejam à frente das balas pra defender a luxuria furtada do cidadão, GARANTIR OS CONDOMINIOS DE LUXO, OS CARRÕES, AS MORDOMIAS NAS VARANDAS DO ATLANTICO. Na opinião deles, favelado, povo, policia que se dane que morram sem assistência médica, em ultimo caso e se não tiver jeito recebe um abraço de consolo ou um faniquito forjado de algum representante da imprensa na tela da TV.

Comentários encerrados em 03/12/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.