Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Perseguição tecnológica

Sistema reduz em 90% inquéritos de crimes digitais

Uma ferramenta usada pela Polícia Federal para combater as fraudes bancárias eletrônicas permitiu a redução em 90% no número de inquéritos abertos para investigar crimes digitais. O resultado foi apresentado nesta quinta-feira (11/11) no Fórum sobre Software Livre da América Latina (Latinoware), como informa a Agência Brasil.

O combate aos crimes digitais faz parte do Projeto Tentáculos, um sistema interligado que usa ferramentas inteligentes. Antes de sua implementação, a média anual de inquéritos para investigar fraudes praticadas no sistema internet banking e com clonagem de cartões era de 50 mil. O objetivo do projeto é diminuir em até 50% os prejuízos causados por esse tipo de crime, estimado em cerca de R$ 900 milhões por ano.

"Antes do sistema interligado, uma única fraude gerava vários processos para investigar, às vezes, uma única quadrilha, que agia em vários estados. Hoje, nosso foco é combater o crime organizado", disse, no Latinoware, o agente da PF Erik Siqueira que, junto com o delegado Sergio Ueda, apresentou o Projeto Tentáculos.

Segundo Siqueira, o Brasil é um dos países onde mais se registram crimes digitais. "Temos aqui uma verdadeira engenharia social, que equivale a um curso superior para especialistas em fraudes." Ele disse que, como projeto, a PF criou uma base única de dados que possibilita, com agilidade, mapear onde estão atuando as principais quadrilhas do país. "Elas se baseiam mais em Goiás, no Distrito Federal e Pará e, geralmente, os estados-alvo são os que têm mais dinheiro circulando como São Paulo, Paraná, Minas Gerais e Rio Grande do Sul."

A recomendação da PF para os cerca de 32,5 milhões correntistas virtuais é a de que mantenham atualizadas ferramentas como antivírus e sistema operacional. "As pessoas devem ter na internet o mesmo comportamento que têm no dia a dia, não se descuidar. E, principalmente, conhecer como o seu banco trabalha. Existem alguns dados que a pessoa informa que são totalmente descabíveis, como, por exemplo, uma série de informações pessoais para se obter um extrato", exemplificou.

Revista Consultor Jurídico, 12 de novembro de 2010, 9h02

Comentários de leitores

1 comentário

parabéns

daniel (Outros - Administrativa)

parabéns pela atuação preventiva e inteligente

Comentários encerrados em 20/11/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.