Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Omissão estatal

Servidor baleado em fórum receberá indenização

Por 

Somente quando o Poder Público se omite diante do dever estabelecido em lei de impedir a ocorrência do dano é que poderá ser responsabilizado civilmente e obrigado a repará-lo. Este foi o caso na condenação da Fazenda do estado de São Paulo pelo Tribunal de Justiça paulista. Um servidor do Judiciário foi alvejado por três tiros enquanto trabalhava no Fórum de São Vicente, no litoral do estado. O funcionário sofreu lesões irreversíveis e foi aposentado por invalidez. Ele receberá indenização de 100 salários mínimos do estado.

O servidor estava no local de trabalho, onde funcionam três varas criminais e uma de execuções criminais. No dia do acidente, acontecia o júri de um réu considerado perigoso, e, mesmo assim, as autoridades não tiveram a cautela de convocar reforço policial para o fórum.

No local não havia detector de metais, nem barreira policial nas imediações do prédio. No momento da invasão, não havia nenhum policial na portaria. Além do mais, o servidor atingido não usava colete à prova de bala ou qualquer equipamento de proteção.

Em primeira instância a ação foi julgada parcialmente procedente: o juiz condenou o Estado a pagar indenização por danos morais em valor superior a 100 salários mínimos, mas negou a concessão de pensão mensal vitalícia em razão da incapacidade sofrida pelo servidor.

As partes recorreram ao Tribunal de Justiça. O funcionário reclamando o pagamento da pensão e o estado com o pedido de inversão do julgamento. O argumento do governo era de não existir responsabilidade estatal por fato cometido por terceiro.

A 2ª Câmara de Direito Público entendeu que o argumento da Procuradoria-Geral do Estado não podia ser aceita. Para a turma julgadora, no caso, as lesões sofridas pelo funcionário foram comprovadamente decorrentes da ausência de segurança no fórum de São Vicente. “É dever do estado zelar pela integridade física dos servidores nas dependências do fórum”, afirmou o desembargador Samuel Júnior, relator do recurso.

O desembargador acrescentou que mesmo depois do ataque ao fórum e das lesões sofridas pelo servidor, o estado nada fez para corrigir a falha na segurança. De acordo com o relator, o município de São Vicente é quem arca com o custo da instalação de detector de metais nas entradas do edifício.

“Assim, restando caracterizada a responsabilidade do estado, a indenização é medida que se impõe”, apontou o relator. Ele, no entanto, aceitou parte do argumento da Fazenda do Estado e votou pela redução do valor do dano moral para 100 salários mínimos, mas mandou que fosse paga de uma só vez, com juros de 1%.

Em relação ao recurso do servidor que pretendia receber pensão vitalícia, a turma julgadora decidiu que não tinha amparo legal. Fundamentou a decisão com o argumento de que o vínculo do funcionário com a administração pública é estatutário e a lei não prevê esse tipo de ressarcimento.

De acordo com o relator, a Lei estadual 10.261/68 só prevê licença e aposentadoria. “O autor, na qualidade de servidor público, obteve reparação com a concessão da aposentadoria por invalidez”, justificou Samuel Júnior.

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 21 de março de 2010, 7h23

Comentários de leitores

2 comentários

Um e-mail

hermeto (Bacharel)

Eu li uma notícia estarrecedora que um detento (isto preso) terá direito a receber auxílio reclusão, está lá na PORTARIA Númro 48, de 13/02//2009 do INSS. Vale a pena ler.

Quanto vale o gozo pelno de uma vida?

Sérgio Niemeyer (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Para o TJSP, apenas 100 salários mínimos (= R$51.000,00). Se esse servidor, que perdeu atributos da personalidade e deixou de ser um normal para engrossar o cordão dos deficientes físicos, com manifestos efeitos psicológicos para sua atitude diante da vida e das possibilidades de gozo que antes dispunha e perdeu, viver mais 30 anos, essa indenização representa R$141,67 por mês. Um deficiente poderá extrair algum prazer dessa quantia para aplacar sua dor? Como dizia Jeremy Benthan e John Stuart Mill, dor e prazer são os opostos causais de toda ação humana. Por isso, a reparação da dor deve ser com uma quantidade de prazer suficiente para eliminá-la ou, quando menos, mantê-la inoperante. Decerto, R$51.000,00 não é nada para quem perdeu o encanto da das possibilidades de vida e sofreu tamanha «capitis deminutio». Isso me leva a meditar: se fosse um juiz que tivesse padecido tal agrura, e não um simples servidor, de quanto seria a indenização? Arrisco um palpite, tomando por base as indenizações que normalmente requerem e obtêm: 1.000 (mil) salários mínimos (= R$510.000,00). Que no meu ponto de vista ainda é pouco. O que dizer, então, daquela que foi outorgada a esse pobre servidor, que receberá em precatórios, se é que verá a cor desse dinheiro antes de morrer?!
.
(a) Sérgio Niemeyer
Advogado – Mestre em Direito e doutorando pela USP – sergioniemeyer@adv.oabsp.org.br

Comentários encerrados em 29/03/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.