Consultor Jurídico

Investigação detalhada

Ministro da Justiça se reúne novamente com Tuma Jr.

O ministro da Justiça, Luiz Paulo Barreto, se reúne com o secretário nacional de Justiça, Romeu Tuma Júnior, nesta segunda-feira (10/5). Tuma Júnior é acusado pela Polícia Federal de ter ligações com o chinês Li Kwok Kwen, o Paulo Li, apontado como um dos chefes da máfia chinesa em São Paulo.

Segundo a Folha de S.Paulo, Barreto já recebeu informações da PF sobre as investigações, em que se suspeita que Tuma Jr. tenha ajudado Paulo Li a regularizar a situação de imigrantes ilegais e interveio para liberar mercadoria apreendida. Em gravações de interceptações telefônicas, Tuma Jr., que também é presidente do Conselho Nacional de Combate à Pirataria, trata da compra de um celular e de um videogame. Li, que foi assessor de Tuma Jr. quando ele era deputado estadual, está preso desde setembro do ano passado. O secretário não foi acusado formalmente à época porque o Ministério Público entendeu que não havia provas contra ele.

Nesta segunda-feira (10/5), o presidente da OAB-SP, Luiz Flávio Borges D´Urso, afirmou que recebeu com muitas reservas as denúncias contra o secretário. “Recebo com reserva, aliás, como devem ser recebidas quaisquer denúncias que surjam  na mídia em ano eleitoral”,  destacou. Para D’ Urso, as acusações devem ser apuradas. “De qualquer maneira o que não se pode admitir é o pré-julgamento e o desrespeito aos primados constitucionais da ampla defesa, do contraditório e da presunção de inocência em respeito ao império do Estado Democrático de Direito”, ressaltou o advogado.

O presidente da Comissão de Ética Pública da Presidência da República, Sepúlveda Pertence, anunciou que o órgão decidiu abrir procedimento preliminar para apurar as denúncias contra o secretário. No sábado (8/5), o presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil, Ophir Cavalcante, defendeu que o secretário seja afastado até o fim das investigações. "A acusação é grave e precisa ser esclarecida por se tratar do secretário nacional de Justiça, função importante no Ministério da Justiça", ressaltou.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 10 de maio de 2010, 21h06

Comentários de leitores

3 comentários

OS TUMA E OS CONTRABANDISTAS

Jose Antonio Dias (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

É só investigar os aeroportos de Cumbica e Viracopos e muita maracutaia tumista aparecerá...

RELACIONAMENTO PROTOCOLAR

GERPOL MS (Advogado Autônomo)

NÃO FOI DENUNCIADO JUNTO COM O PAULO LI PORQUE TEM RELACIONAMENTO ESCUSO COM MEMBROS DO MINISTERIO PUBLICO E É FILHO DE UM SENADOR. TAL PAI, TAL FILHO.

HIPOCRESIA CONTUMAZ....

Luiz Pereira Carlos (Técnico de Informática)

Não me preocuta os astecas do crime do colarinho branco, useiros e vezeiros na pratica contumaz, o Tuma la da cá, etc.
*
Me causa especie é como pode o Sr. Li ser empossado na republica como acessor da Secretaria de justiça que trata de assuntos como pirataria, contrabando, devio de verbas, caixa 2, evasão de divisas, e se quer ser notado.
*
A POLICIA FEDERAL deveria se ater a esses hipocritas que agora vem cinicamente tentar dissimular a direção dos holofotes, e propor um arrumadinho ou Arrudadinho, para dar fim a polemica.
*
Que País é esse que as portas da republica estão sempre abertas pra BANDIDATOS, que tripudiam sobre o cidadão com o apoio quase que incondicional do PODRE PODER JUDICIARIO, alguns prevaricando e vendendo sentenças, isso é mais nocivo do que qualquer PCC ou COMANDO VERMELHO.
*
Fazem de tudo nessa Republica, menos seguir a constituição e respeitar a lei.

Comentários encerrados em 18/05/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.