Consultor Jurídico

Princípio inaplicável

Furto de duas sacas de fumo não é crime de bagatela

“Para a incidência do princípio da insignificância, é necessária a ocorrência de quatro vetores: a mínima ofensividade da conduta do agente; nenhuma periculosidade social da ação; o reduzidíssimo grau de reprovação do comportamento envolvido e a inexpressividade da lesão jurídica provocada”.

Com esse entendimento, a 5ª Turma do Superior Tribunal de Justiça aceitou, parcialmente, Recurso Especial do Ministério Público do Rio Grande do Sul contra um homem acusado de furto qualificado. O MP pediu para afastar o princípio da insignificância do crime. Com a decisão, o processo deve voltar ao tribunal de origem para avaliação dos pedidos remanescentes na ação.

O acusado foi denunciado pelo MP estadual por crime de furto qualificado de duas sacas de fumo avaliados em R$ 270 e, também, pelo delito de corrupção de menores. A Defensoria Pública recorreu, em nome do réu, ao Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul. Alegou que o crime poderia ser incluído nas hipóteses previstas no princípio da insignificância.

Ao julgar o recurso, o TJ-RS aceitou o apelo da defesa e absolveu o acusado do delito, pois entendeu que o valor dos bens subtraídos era insignificante. “O ínfimo valor das sacas não autoriza a inserção da pendenga em seara penal. Prejudicada a imputação do crime de corrupção de menores”.

Diante disso, o MP recorreu ao STJ. Alegou que o furto das sacas de fumo não pode ser considerado insignificante para o delito penal, bem como para a configuração do crime de corrupção de menores. Defendeu também que a comprovação de que o menor tenha se degradado para a configuração do crime de corrupção de menores é desnecessária.

Ao analisar o caso, o ministro Arnaldo Esteves Lima, relator do processo, acolheu os argumentos do MP, mas ressaltou que o tema da aplicação do princípio da insignificância permanece controvertido “tanto na doutrina como na jurisprudência pátria. Entretanto, é indiscutível a sua relevância, na medida em que exclui da incidência da norma penal aquelas condutas cujo desvalor da ação e/ou do resultado implique uma ínfima afetação ao bem jurídico”.

Em seu voto, o ministro se baseou em decisão do Supremo Tribunal Federal que afirma que para que o princípio da insignificância ocorra é preciso que a conduta do acusado não seja ofensiva, a ação não apresente nenhum perigo social, que o grau de reprovação do comportamento seja reduzidíssimo e a lesão jurídica insignificante.

Diante dos fatos, o relator afirma que no caso da subtração de duas sacas de fumo avaliados em R$ 270 está caracterizada a definição do crime de furto. Isso porque "a ofensividade da conduta, a periculosidade social da ação, a reprovabilidade do comportamento e a lesão ao bem jurídico revelaram-se expressivas”. A 5ª Turma aceitou o recurso do MP, retirou o princípio de insignificância do crime e determinou que o processo retorne ao tribunal de origem para julgamento. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.

Resp 1.185.616




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 30 de junho de 2010, 11h10

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 08/07/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.