Consultor Jurídico

Notícias

População armada

Um milhão de armas foram registradas em 2009

Balanço divulgado nesta sexta-feira (8/1) pelo Ministério da Justiça mostra que ao longo de 2009 foram registradas 1,2 milhão de armas de fogo em todo o país. Com o fim do prazo para recadastramento no último dia 31 de dezembro, quem tem arma em casa sem registro está cometendo crime e pode pegar até três anos de prisão. No último ano foram entregues quase 15 mil armas à Polícia Federal.

Os dados apontam que o brasileiro deixou o cadastro de suas armas para a última hora, já que 20% dos registros ocorreram nos dois últimos dias do ano. Os estados que registraram o maior número de recadastramentos foram São Paulo (244.681), Rio Grande do Sul (171.564), Minas Gerais (129.866) e Paraná (97.178). Desde 2006 foram registradas cerca de 2 milhões de armas e devolvidas mais de 490 mil.

O registro tem validade de três anos. Após esse período é necessário fazer o recadastramento. Neste caso, o cidadão precisará apresentar certidões de nada consta da polícia e da Justiça, fazer exames psicológico e de capacidade técnica, além de pagar uma taxa de R$ 60 à Polícia Federal.  

Para quem não regularizou a posse da arma, a única opção para sair da ilegalidade é entregar voluntariamente o equipamento ao governo. A devolução é feita na Polícia Federal e portador tem direito a uma indenização de R$ 100 a R$ 300, conforme o calibre da arma. O ministro interino da Justiça, Luiz Paulo Barreto, anunciou que o Ministério fará uma campanha para incentivar a devolução de armas. “Passada a fase do registro, é preciso que a população esteja atenta para o fato de que ter uma arma em casa, por si só, já é crime. Por isso, em 2010, vamos intensificar a campanha de devolução no Brasil.”

Ao devolver a arma é necessário portar uma Guia de Trânsito, disponível no site da Polícia Federal, na qual deverá constar o endereço do local onde a arma está guardada e o endereço da unidade da Polícia Federal para o qual o equipamento será entregue. Com informações da Assessoria de Imprensa do Ministério da Justiça.

Revista Consultor Jurídico, 8 de janeiro de 2010, 21h18

Comentários de leitores

2 comentários

Brasil armado!!!

Zerlottini (Outros)

E o molusco foi obrigado a engolir o resultado do plebiscito, que ele queria simplesmente ignorar. Uma vez que não existe segurança oficial, o povo quer fazer a segurança da própria família. Na rua onde moro, existe um Quartel da PMMG. E nós NÃO TEMOS POLICIAMENTO NAS NOSSAS RUAS. Pagamos R$39,00/mês, além dos IMPOSTOS, para uma firma particular de segurança.
Francisco Alexandre Zerlottini. BH/MG.

Registro de Armas

Antonio Gusman (Procurador de Justiça de 2ª. Instância)

É necessário que o MJ. prorrogue por mais tres meses, no minimo, o prazo para registro de armas, visto haver encerrado o prazo, em 31/12, quando a população se atinha as festas de fim de ano. Mister tambem que pague a indenização para aqueles que há muito entregaram suas armas e ainda esperam os miseros cruzeiros indenizatorios. Com boa vontade e muita propaganda, o MJ. poderá conhecer e registrar as armas dos cidadãos.

Comentários encerrados em 16/01/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.