Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Investigação desacreditada

Irmão de advogada diz acreditar em inocência de Igor

A família da advogada Patrícia Aggio Longo, assassinada aos 27 anos quando estava grávida, acredita na inocência do marido — o ex-promotor Igor Ferreira da Silva. Ele foi preso esta semana em São Paulo, após passar oito anos foragido. Mesmo após a condenação do ex-promotor, a família defende sua inocência. É o que mostra a entrevista com Eduardo Aggio Longo, 33 anos, irmão caçula de Patrícia, que foi publicada no jornal Folha de S. Paulo.

"Patrícia morreu em 1998 e nada vai trazê-la de volta. Não somos advogados do Igor, somos a família da Patrícia. Mas não aceitamos as mentiras que foram contadas e repetidas para reforçar a tese de que a culpa era do Igor", afirmou ele em entrevista concedida à repórter Lilian Christofoletti

Leia a entrevista:

Após esses 11 anos, mudou o que a sua família pensava sobre a inocência de Igor?
Eduardo Aggio Longo - Não. Desde o início, minha mãe sempre teve a certeza de que não foi ele o responsável pela morte da minha irmã. E o que assistimos ao longo da investigação foi uma série de mentiras. Falaram de um laudo que excluía a paternidade do Igor, como uma forma de apresentar uma motivação para o crime. Mas fizemos outro laudo que desmentiu essa perícia e confirmou que o filho que a minha irmã esperava era realmente do Igor. Uma semana após a morte, começaram a dizer que ele tinha dado um tapa na minha irmã. Depois, disseram que estavam se separando. Nada disso era verdade. Horas antes do crime, eles jantaram na casa dos meus pais, estavam bem.

Você tem certeza da inocência de Igor?
Longo -
Como te falei, minha mãe sempre teve essa certeza. Eu sempre achei que o que aconteceu foi por causa dele.

Por causa dele?
Longo -
Por alguém que ele tenha denunciado, alguém que tentou se vingar.

Como prova, o Ministério Público apresentou cápsulas deflagradas encontradas na casa de Igor. A perícia confirmou que essas cápsulas foram disparadas pela mesma arma usada para matar Patrícia.
Longo - Eu me lembro, foi alguma coisa assim que o Ministério Público argumentou. Mas, depois de tantos laudos e informações desencontradas, que sabemos serem falsas, mentirosas, como vamos acreditar em outras? A procuradora disse durante o julgamento que o Igor tinha dado um tapa na minha irmã. Isso não aconteceu. O trabalho de investigação fica desacreditado.

Revista Consultor Jurídico, 21 de outubro de 2009, 10h14

Comentários de leitores

5 comentários

usar mais a inteligência

Rocha advogado do ES (Advogado Assalariado - Empresarial)

O Igor já foi condenado e perdeu seu cargo de Promotor. Sua presunção de inocência foi pro brejo e se for comprovado que sua acusação foi fraudulenta, teremos que rever todo procedimento usado na fase de Inquérito.
Mesmo assim está na hora de nossa Polícia usar mais a inteligência e menos truculência para colocar na cadeia os culpados de crimes.
http://robertofdarocha.gratix.com.br/

ajfn.advogado hotmail.com

Mauricio_ (Outros)

Declarou a competência não... Um das Turmas do STF disse que o MP pode investigar. Mas a decisão definitiva sobre a questão é cabe ao Pleno e ainda não foi definida.

ÉTICA INVESTIGATIVA

ajfn.advogado hotmail.com (Advogado Autônomo - Administrativa)

Ou o MP repensa sua conduta investigativa (que nao pode ser contaminada com especulações) ou o seu descrédito investigativo vai aprofundar. Ainda mais neste momento em que o Supremo declarou a competencia investigativa do MP.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 29/10/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.