Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Falta de localização

Decretada prisão de viúva de ganhador da mega-sena

A prisão preventiva de Adriana Ferreira Almeida, acusada de mandar matar o marido ganhador de um prêmio da mega-sena, foi decretada pela juíza Roberta dos Santos Braga Costa, da 2ª Vara de Rio Bonito (RJ). Adriana mudou de endereço sem comunicar a Justiça. Anderson Silva de Souza e Ednei Gonçalves Pereira, co-réus, já foram condenados Tribunal do Juri a 18 anos de prisão.

Adriana, que já havia sido presa, conseguiu liberdade em em junho do ano passado. De acordo com a juíza, o novo pedido de prisão foi feito “sob o fundamento de que não se obteve êxito em se localizar a ré”. A Justiça tentou diversos contatos em dias e horários diferentes. “Não há como se afastar da óbvia conclusão suscitada pelo Ministério Público em seu parecer de que a ré, de fato, tenta se esquivar da aplicação da lei penal no momento em que se afasta do distrito da culpa”, afirma.

Anderson Silva de Souza e Ednei Gonçalves Pereira, acusados de serem os executores do assassinato de René Senna a mando da ré, foram recentemente condenados em sessão plenária do Tribunal do Júri a pena privativa de liberdade de 18 anos de reclusão.

Ganhador de R$ 51,8 milhões da Mega-Sena em 2005, René foi morto com quatro tiros na cabeça no dia 7 de janeiro de 2007 em um bar. Adriana Almeida é apontada como a mandante do crime. De acordo com a denúncia do Ministério Público, o homicídio foi cometido por motivo torpe, pois Adriana pretendia se beneficiar de um testamento preparado por René. Segundo o TJ-RJ, o homicídio foi praticado mediante recurso que impossibilitou a defesa da vítima, pois o milionário foi surpreendido quando tomava cerveja em um bar. Ele ainda não tinha possibilidade de fuga por conta de ter as duas pernas amputadas por complicações causadas pelo diabetes. Com informações da Assessoria de Imprensa do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro.

2007.046.004234-0

Revista Consultor Jurídico, 3 de novembro de 2009, 16h27

Comentários de leitores

1 comentário

EM LIBERDADE, AINDA ?

argento (Advogado Autônomo)

Não sei como essa assassina fria ainda está em liberdade ! como se pode confiar na justiça? É a impunidade que faz aumentar a criminalidade. será que só eu vejo isto?

Comentários encerrados em 11/11/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.