Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Acidente da Gol

MPF oferece nova denúncia contra pilotos do Legacy

O Ministério Público Federal em Mato Grosso apresentou, nesta quinta-feira (28/5), uma nova denúncia contra os pilotos Joe Lepore e Jan Paul Paladino, que comandavam o jato Legacy no momento em que ele se chocou com o Boeing da Gol em setembro de 2006. O acidente causou a morte dos 154 ocupantes do voo 1907 da empresa aérea. A informação é da Folha Online.

Assinada pelos procuradores da República Analícia Ortega Hartz Trindade e Thiago Lemos de Andrade, a denúncia é baseada em dois laudos concluídos em março deste ano que apontam duas condutas erradas dos pilotos. Os laudos são assinados pelo perito Roberto Peterka com base no relatório do Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos).

Destroços do avião da Gol que fazia o vôo 1907 caíram em área de mata fechada; os 154 ocupantes do Boeing morreram. Segundo o Ministério Público, os laudos revelaram duas novas falhas: a de que os pilotos omitiram a informação de que o jato não possuía autorização para voar em uma área tida como espaço aéreo especial e a de que eles não fizeram uso do TCAS (sistema anticolisão) em nenhum momento durante o voo.

Os laudos concluíram que o plano de voo fornecido pela Embraer — fabricante do jato — à ExcelAire continha uma informação falsa, a de que o jato poderia voar a uma distância de mil pés (cerca de 304 metros), quando deveria ficar, ao menos, a cerca de 2.000 pés (pelo menos 600 metros) de distância.

Ainda de acordo com o texto, a ExcelAire não havia incluído o aparelho em suas especificações operativas e atendido aos critérios constantes do Regulamento Brasileiro de Homologação Aeronáutica. O jato somente poderia voar a mil pés, conforme preceito do RVSM, sigla para separação vertical mínima reduzida-- caso viesse a ser autorizado pelo DAC (Departamento de Aviação Civil), o que não ocorreu, segundo a Procuradoria.

O piloto, segundo o laudo, deveria ter informado essa condição desde o primeiro contato, o que não foi feito em momento algum. Outro apontamento irregular no entender do perito e levando em consideração pelos procuradores diz respeito ao não acionamento do TCAS. Com ele, segundo o laudo, seria possível detectar o risco de colisão e evitar o acidente.

A denúncia oferecida contra os dois pilotos se baseia no crime de atentado contra a segurança do transporte aéreo nacional, na modalidade culposa (sem intenção), e homicídio.

Estratégia
A nota do Ministério Público Federal cita que a procuradora Analícia Ortega Hartz Trindade preferiu apresentar uma nova denúncia para acelerar o processo de análise. Isso ocorre porque em dezembro de 2008 o juiz federal de Sinop (MT) Murilo Mendes absolveu os pilotos americanos da acusação de negligência pela conduta relacionada a adoção de procedimentos de emergência e eventual falha de comunicação com o Cindacta (Centro Integrado de Defesa Aérea e de Controle de Tráfego Aéreo).

O Ministério Público entrou com recurso a respeito. Até hoje, contudo, não houve decisão sobre o assunto.

Acidente
O Boeing da Gol que fazia o voo 1907 ia de Manaus (AM) para o Rio com previsão de fazer uma escala em Brasília (DF). Ao sobrevoar a região Norte do país ele bateu em um Legacy da empresa de taxi aéreo americana ExcelAire, em 29 de setembro de 2006.

Os destroços do Boeing caíram em uma mata fechada, a 200 km do município de Peixoto de Azevedo (MT). O Legacy, que transportava sete pessoas, conseguiu pousar em segurança em uma base na serra do Cachimbo (PA).

Revista Consultor Jurídico, 28 de maio de 2009, 15h54

Comentários de leitores

2 comentários

pouco a ser feito

hammer eduardo (Consultor)

Apesar das evidentes provas que apontam na direção de negligencia criminosa , este lamentavel acidente envolvendo o Boeing da GOL tende com o passar dos anos a ser "estacionado" na lateral da estrada por total impossibilidade fisica de se levar ao banco dos réus os pilotos americanos que como sempre , sairam de fininho com ajuda do des-governo brasileiro para NUNCA MAIS voltar , bem simples.
O des-governo americano protege seus Cidadãos de uma maneira que nem o brasileiro pratica. Lembro que na epoca do acidente os pilotos foram colocados num hotel de altissimo luxo em Copacabana em situação de "incomunicaveis" e certamente depois dos rosnados de praxe do des-governo bush , foram "repatriados" na calada da noite , recebidos como HEROIS , pasmem!
Esta é a realidade de nossa "pulitica isterna" sempre de joelhos e tratando os americanos de "buana". Deixemos bem claro que seja la o quanto o serissimo Ministerio Publico venha a esbravejar , esses pilotos JAMAIS voltarão para prestar depoimentos e muito menos sentar no banco dos reus , tolinhos os que assim o imaginam! Por outro lado , num episodio "curioso" , tivemos um suspeitissimo trabalhão para trazer de volta ao Brasil o meliante salvatore caciiola que exigiu , PASMEM ate a necessidade da ida do ministro(????qua qua qua) tarso genro a Monaco. Em compensação , hoje esnobamos a Italia na deportação deste VAGABUNDO esquerdoide do battisti tão adorado de forma suspeita pela petralhada. O pior de tudo foi aquela "mancha de batom na cueca" da "exportação" dos boxeadores cubanos de volta pra Cuba com auxilio inclusive da fuerza aerea do "titio" hugo chavez , isto é um exemplo de nossa politica externa de fancaria, agora engulam as consequencias. Quem não se impoe não pode exigir!

Absoluta, perda de tempo ! ! !

A.G. Moreira (Consultor)

Norte americano só é julgado em seu país e pelas suas leis ! ! !

Comentários encerrados em 05/06/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.